Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
05 de abril de 2019, 16h08

Ponte Jornalismo denuncia censura do governo de SP em coletiva de imprensa

Repórter da Ponte Jornalismo, veículo que trata sobre segurança pública e denuncia abusos policiais, foi impedida de fazer uma pergunta, mesmo inscrita, durante coletiva de imprensa com autoridades da PM; assessora quis saber tema da questão previamente

Foto: Reprodução

A Ponte Jornalismo, veículo que trata de segurança pública e direitos humanos, denunciou na tarde desta sexta-feira (5) que uma de suas repórteres foi censurada durante uma coletiva de imprensa, mais cedo, da secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo.

De acordo com o site, a repórter e editora Maria Teresa Cruz se inscreveu para perguntar na coletiva sobre a ação da Polícia Militar em Guararema, nesta quinta-feira (4), que vitimou 11 pessoas. Estavam na mesa ario Sarrubbo, subprocurador-geral de SP, Tenente Mario Alves da Silva Filho, comandante da Rota, Tenente Coronel José Carlos Alves Brandão, comandante do CPA – M12, Adalberto Henrique Barbosa, divisionário do patrimônio do Deic, tenente coronel Luis Augusto Ambar, comandante do 4º Batalhão de Choque – Operações Especiais.

Mesmo incrita, a vez da repórter foi pulada e a coletiva foi encerrada sem que ela pudesse fazer a pergunta. Segundo o veículo, uma assessora quis saber o tema da pergunta previamente enquanto outros jornalistas perguntavam. Maria Teresa Cruz respondeu que perguntaria sobre conjuntura política e diretrizes da segurança pública. Após ouvir um “ok” da assessora, esperou até que chegasse sua vez, o que não ocorreu.

“Quando a a assessora disse ao microfone “última pergunta”, Teresa levantou o braço e se dispôs a falar, mas passaram a vez para outro jornalista e encerraram a coletiva em seguida. “Protestei em voz alta e ainda tive que ouvir: ‘agradeça, porque eles estão aqui para tirar dúvidas de vocês, imagine se não estivessem’”, narra o site.

A Ponte Jornalismo informa que questionou a InPress, empresa responsável pela assessoria da secretaria de Segurança Pública,  sobre o ocorrido, mas não obteve retorno.

Confira mais detalhes aqui.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum