O que o brasileiro pensa?
30 de julho de 2020, 21h48

Alemães organizam festas secretas, desafiando quarentena e preocupação por segunda onda do coronavírus

As festas são organizadas através de grupos de Telegram, e provocam aglomerações de até 3 mil pessoas. Divulgação é feita apenas um dia antes, para evitar que se espalhe até chegar à polícia. Costumam ser realizadas em parques, florestas ou edifícios abandonados

Festa secreta na Alemanha (foto: Deutsche Welle)

Com os bares e discotecas fechados há cerca de cinco meses em toda a Alemanha, jovens de algumas das principais cidades do país, como Berlim e Hamburgo, passaram a organizar festas secretas para evadir as medidas de isolamento e procurar diversão ao estilo pré-pandemia.

Segundo reportagem da agência alemã Deutsche Welle, as festas são organizadas através de grupos de Telegram, e chegam a provocar aglomerações de até 3 mil pessoas. A divulgação é feita apenas um dia antes, para evitar que a corrente se espalhe muito e chegue logo a um contato da polícia. As raves também costumam ser realizadas em parques, florestas ou edifícios abandonados.

A prioridade é escolher locais de difícil acesso, para impedir que as autoridades policiais possam interromper os eventos – o que nem sempre é possível, e muitas delas terminaram com a polícia acabando com a alegria dos jovens.

No entanto, a ação policial nesses casos não costuma ser violenta. Um oficial entrevistado pela reportagem da Deutsche Welle afirmou que raramente algum envolvido é preso, e apenas se atua para obrigar os presentes a voltarem a suas casas. “Entendemos que as festas fazem parte da vida, por isso, nossa abordagem busca ser cooperativa. Tentamos explicar aos participantes que eles representam um risco”, comentou.

O infectologista alemão Jonas Schmidt-Chanasit, diretor do Instituto Bernhard Nocht, em Hamburgo, diz que aglomerações como essas, mesmo reunindo um público reduzido, produzem um aumento do risco de infecção.

“Sabemos que o vírus se espalha através de gotículas. Quando se canta, aplaude, grita, essas gotículas são expelidas particularmente forte e longe. Outras pessoas podem inalá-las e se infectar. Isso desencadeia o fenômeno que conhecemos como ‘super disseminação’”, analisou o especialista

Para os jovens que frequentam as festas, não se trata de uma postura desafiante com respeito às medidas de isolamento – que vêm se tornando mais rígidas com a iminência da segunda onda da pandemia na Europa –, mas sim de uma simples busca por diversão. “Só queremos dançar. É só uma festa. Não representamos ameaça, só estamos cansados da pandemia”, diz à reportagem um dos frequentadores, não identificado.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum