domingo, 20 set 2020
Publicidade

Antítese do Brasil, Nova Zelândia completa 100 dias sem contágios por coronavírus

Neste domingo (9), as autoridades da Nova Zelândia comemoraram uma façanha que todos os países sonham em alcançar: completou 100 dias sem nenhum novo caso de coronavírus.

A primeira-ministra Jacinda Ardern, do Partido Trabalhista (de centro-esquerda), celebrou a data com uma declaração à imprensa local, na qual enfatizou que “esta é uma conquista que alcançamos todos como país. Estamos desfrutando o resultado de fazer as coisas bem, e porque continuamos cuidando uns dos outros para que aquilo que realizamos em março e abril tenha valido a pena”.

A Nova Zelândia é a verdadeira antítese do Brasil no que diz respeito à pandemia. O governo de Ardern levou o coronavírus muito à sério, decretou uma quarentena muito rígida logo após surgirem os primeiros casos, em fevereiro, e não poupou gastos estatais para permitir que sua população se mantivesse em casa durante semanas, o que significou superar completamente o surto no país na primeira semana de maio. No total, a Nova Zelândia, registrou 1,2 mil casos de covid-19, com 22 mortes.

Já o governo de direita de Jair Bolsonaro, um dos mais conhecidos negacionistas da pandemia, é o segundo com maior número de contágios, com mais de 3 milhões de pessoas afetadas pelo vírus, e também o segundo com mais vítimas, tendo superado recentemente os 100 mil óbitos.

Voltando à Nova Zelândia, nesse período de 100 dias, o país identificou cerca de 300 pessoas infectadas quando tentavam entrar no país, por via aérea ou marítima – atualmente há 23 pessoas desses casos, que estão em quarentena.

Também é importante lembrar que, desde março, todas as pessoas que entram no país estão obrigadas a fazer o exame PCR, e a cumprir uma quarentena de 14 dias, mesmo que o exame para coronavírus dê negativo. Porém a população neozelandesa voltou à normalidade, mantendo certas normas de higiene e uso de máscaras, mas sem precisar de isolamento social. Também foi lançado um planto governamental de recuperação da economia, que vem dando bons resultados.

No entanto, o ministro da Saúde da Nova Zelândia, Ashley Bloomfield, preferiu um discurso menos triunfalista. “Estes 100 dias livres de infecção na população é um passo importante. No entanto, como todos sabemos, não podemos nos permitir a menor negligência. Temos exemplos no mundo que nos mostram a rapidez com que o vírus pode ressurgir e se espalhar em lugares onde antes estava sob controle, e devemos estar preparados para conter rapidamente novos casos futuros em nosso país”, alertou.

Victor Farinelli
Victor Farinelli
Jornalista formado pela Universidade Católica de Santos, há 15 anos é correspondente na Argentina (2004 e 2005) e no Chile (desde 2006).