Aplicativo do Ministério da Saúde simula atendimento médico e receita “kit Covid” para tratamento precoce

Pacientes com diferentes históricos, comorbidades e sintomas recebem recomendações parecidas para uso de cloroquina, ivermectina e até antibióticos

O Ministério da Saúde, sob gestão de Eduardo Pazuello, lançou uma plataforma online que oferece um formulário clínico para que profissionais de saúde receitem medicamentos do “kit Covid”, sem comprovação científica, a pacientes.

O TrateCov pede informações como comorbidades, exposição a ambientes de risco e possíveis sintomas. A plataforma então atribui um “escore de gravidade” ao paciente e, em seguida, disponibiliza uma receita com diversos medicamentos para um suposto tratamento da doença.

Entre os principais remédios recomendados, estão a cloroquina, ivermectina, azitromicina e até antibióticos. Além da lista de medicamentos, também constam recomendações de uso e frequência.

Apesar de ser direcionada a profissionais de saúde, o acesso à plataforma é livre e gratuito, sem a necessidade de realizar um login para ter acesso a uma receita.

Chama atenção o padrão de receitas, que recomenda os mesmos medicamentos, inclusive entre pacientes com diferentes comorbidades, sintomas e estilos de vida. Nas redes sociais, internautas simularam casos diferentes na plataforma e constataram esse padrão.

A assessora do médico Drauzio Varella, Mariana Varella, relata que citou no formulário duas idas ao supermercado e ausência de comorbidades. Seus sintomas são apenas fadiga e dor de cabeça, que duraram apenas um dia. O TrateCov, no entanto, receitou diversos medicamentos do “kit Covid” e dois antibióticos.

O médico Pedro Opará decidiu simular um paciente fictício na plataforma. Ele conta que, mesmo citando comorbidades como hipertensão e diabetes, doenças que contraindicam medicamentos do “kit Covid”, o TrateCov continuou a recomendar esses remédios.

Notícias relacionadas

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.

Em 2021, escolha a Fórum.

Fazer jornalismo comprometido com os direitos humanos e uma perspectiva de justiça social exige apoio dos leitores. Porque se depender do mercado e da publicidade oficial de governos liberais esses projetos serão eliminados. Eles têm lado e sabem muito bem quem devem apoiar.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR