Após viagem de R$ 88 mil, governo Bolsonaro não fecha acordo com Israel para compra de spray nasal

Governo ainda classificou os telegramas entre Brasília e Tel Aviv como reservado ou secretos pelos próximos 15 anos

O Itamaraty assumiu que a viagem de representantes do governo brasileiro à Israel, no início de março, que teria por objetivo negociar tecnologias para o combate à Covid-19, não garantiu a assinatura de um contrato para desenvolvimento ou importação do spray nasal EXO-CD24, medicamento classificado como “milagroso” pelo presidente Jair Bolsonaro.

Segundo informações de Jamil Chade, no UOL, o governo Bolsonaro reconheceu que não assinou nenhum acordo com o hospital Ichilov para aquisição do spray, tampouco com o Instituto Weizmann, responsável por diversas pesquisas no campo da pandemia.

O governo de Jair Bolsonaro ainda decidiu classificar os telegramas diplomáticos entre Brasília e Tel Aviv como reservado ou secretos pelos próximos 15 anos. Com isso, as informações detalhas sobre a viagem da delegação brasileira serão conhecidas apenas em 2036.

As revelações foram repassadas em uma resposta de mais de 40 páginas à bancada do PSOL na Câmara, no dia 7 de maio. Os deputados tinham solicitado explicações sobre a viagem de uma delegação do governo brasileiro para Israel, na primeira semana de março.

Fizeram parte da comitiva o ex-ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que levou bronca em público durante a viagem por não usar máscara, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), o deputado Helio Lopes (PSL-RJ), o assessor especial Filipe Martins, e o então secretário de Comunicações, Fabio Wajngarten, além de diplomatas. O custo da viagem foi de mais de R$ 88 mil, sem contar o transporte no avião da FAB e os gastos do governo de Israel.

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR