Brasil chega a mais de 126 mil mortos por coronavírus

Enquanto o número de contágios e mortes segue crescendo, Bolsonaro ataca prefeitos e governadores por adotarem medidas para conter a disseminação do vírus

Novo balanço sobre o coronavírus divulgado pelo Ministério da Saúde na noite deste sábado (5) mostra que o Brasil chegou a marca de 126.203 mortes causadas pela Covid-19. Nas últimas 24 horas, foram registradas 682 novos óbitos.

Desde o início da pandemia, já foram registrados no país 4.123.000 contágios. Foram contabilizados 30.168 novos casos confirmados neste sábado.

“Ditadores nanicos”

Enquanto os números do coronavírus seguem crescendo no país, o presidente Jair Bolsonaro continua atacando prefeitos e governadores por conta das medidas de restrição adotadas para conter a disseminação do vírus.

Durante visita a obras na pista de pouso do Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, neste sábado (5), o o capitão da reserva voltou a atacar governadores e prefeitos. Bolsonaro rebateu crítica de que seria “ditador” e criticou gestores municipais e estaduais.

“Fica uma grande experiência, como alguns me acusam de ditador… Os projetos de ditadores nanicos que apareceram pelo Brasil afora, não só em áreas estaduais, mas em algumas municipais também. Fica de ensinamento dessa pandemia”, afirmou o presidente.

Bolsonaro criticava o fechamento de estradas e as restrições de viagens interestaduais implementadas por alguns governos com o objetivo de tentar frear a pandemia do novo coronavírus. A maioria da comitiva do presidente – que incluía o deputado Celso Russomano (Republicanos), pré-candidato à Prefeitura de SP – estava sem máscaras de proteção.

Publicidade
Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR