Brasil deve ter média diária de mil mortes por Covid por ao menos mais 1 semana, diz universidade de Londres

Pesquisadores do Imperial College fazem acompanhamento semanal da evolução de casos e óbitos; taxa de transmissão do novo coronavírus ficou em 1,02 na última semana, acima do nível de controle

A política de Jair Bolsonaro (sem partido) para a pandemia do novo coronavírus, que vai contra tudo o que é recomendado por autoridades sanitárias para evitar a expansão da epidemia, segue cobrando seu preço. Ao longo da próxima semana, o Brasil deve continuar com média diária de mais de mil mortes por Covid-19.

A estimativa foi feita nesta terça-feira (23) pelo Imperial College de Londres nesta terça-feira (16).

Os pesquisadores da universidade divulgam análise semanal das mortes pela doença com estimativa para os próximos sete dias.

Na semana encerrada na segunda-feira (22), o Imperial College contabilizou 7.276 mortes devido à Covid-19 no Brasil. Para essa próxima semana, os pesquisadores estimam que o número vá chegar a 7.630, podendo variar de 7.290 a 7.910. Ou seja, se o cálculo se confirmar dentro do intervalo, haverá mais de 7 mil mortes em sete dias. Segundo o consórcio de veículos de imprensa que acompanha as estatísticas de Covid-19 no Brasil, faz mais de 30 dias que o país está com uma média móvel diária de mil mortes devido à doença.

Taxa de transmissão

O Imperial College ainda calcula a taxa de transmissão do Sars-Cov-2 em 79 países todas as semanas e o projeta para o próximo período. O índice, chamado de Rt, ficou em 1,02 no Brasil. Números superiores a 1 indicam que a pandemia está em expansão, e é a oitava semana seguida que a taxa brasileira fica acima disso.

O Rt em 1,02 indica que cada 100 pessoas infectadas com o Sars-Cov-2 o transmitem para outras 102 no país. Para uma região ser considerada com a pandemia em estágio de redução, é necessário que a taxa fique abaixo de 1 por ao menos duas semanas. Para os próximos sete dias, os pesquisadores estimam que a taxa fique entre 0,95 e 1,06.

Avatar de Fabíola Salani

Fabíola Salani

Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.

Em 2021, escolha a Fórum.

Fazer jornalismo comprometido com os direitos humanos e uma perspectiva de justiça social exige apoio dos leitores. Porque se depender do mercado e da publicidade oficial de governos liberais esses projetos serão eliminados. Eles têm lado e sabem muito bem quem devem apoiar.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR