O que o brasileiro pensa?
05 de julho de 2020, 17h11

Coronavírus: “vírus sem classe”?

Se é verdade que o vírus se manifesta biologicamente de forma semelhante em quem quer que seja, também é fato que são os recortes de classe e raça que demonstram quem ele afeta mais duramente na prática

Foto: Animal Politico

Muitos têm dito que o coronavírus é “democrático”, porque não faria distinção entre pobres e ricos. O apresentador milionário Roberto Justus, por exemplo, bradou que “tá todo mundo no mesmo barco”. Se é verdade que o vírus se manifesta biologicamente de forma semelhante em quem quer que seja, também é fato que são os recortes de classe e raça – em um país erguido a partir da superexploração de sua classe trabalhadora, especialmente negra e indígena – que demonstram quem ele afeta mais duramente na prática.

Em pesquisa divulgada nesta quinta (02/07), cientistas da USP e da UNIFESP analisaram um grupo de 1.183 pessoas, acima dos 18 anos e de diferentes regiões da capital paulista. Encontraram, entre outras coisas, quase o triplo da presença de anticorpos (o que significa apenas que a pessoa teve contato com o vírus, sem garantia de imunização) em moradores dos distritos mais pobres (16%) em comparação com os de distritos mais ricos (6,5%).

Ainda de acordo com a pesquisa, quando comparamos o percentual de infectados e o grau de escolaridade, 22,9% das pessoas contaminadas não completaram o ensino fundamental, contra apenas 5,1% das que possuem ensino superior. Outra diferença estrutural, agora a de raça, também foi exposta pela pesquisa: 19,7% da população negra analisada detém anticorpos, enquanto para os brancos o percentual é de apenas 7,9%.

Portanto, é falso que se trata de um vírus “democrático”, que acomete a todos indistintamente. Não à toa os ricos sempre menosprezaram a doença e suas consequências. Afinal de contas, o que, para eles, não passou de uma “gripezinha” representa, para os/as trabalhadores/as, uma brutal violência estrutural de classe.

Então, a imunização de rebanho do governo Bolsonaro-Mourão é simplesmente a exposição da classe trabalhadora brasileira à morte para, assim, preservar a vida e os lucros das classes proprietárias.

Para salvar vidas, fora Bolsonaro, fora Mourão.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum