Covid-19 se alastra por aldeias indígenas em Rondônia

Mesmo com a tribo em isolamento social, pastores evangélicos realizaram cultos, promovendo aglomeração; Povo Paiter Suruí clama por ajuda

O Povo Paiter Suruí, que vive em 28 aldeias na Terra Indígena Sete de Setembro, próximo a Cacoal, em Rondônia, pede ajuda. Embora estivessem em isolamento social, eles receberam visitas de grupos evangélicos que realizaram cultos e promoveram aglomeração.

Entre os casos confirmados, quatro pessoas estão em estado grave e três estão entubados no Hospital Regional de Cacoal.

Entre os enfermos está o pajé Perpera, que protagonizou o premiado filme Ex-Pajé, de Luiz Bolognesi. Porém, Perpera Suruí (75), ex-pajé que perdeu seu posto na década de ’70, após a aldeia Lapetanha se converter à religião evangélica, está com medo de ir ao hospital de Cacoal porque teme morrer, prefere ficar entre os seus. Os índios alegam, ainda, que são mal tratados no hospital.

“Além de sofrerem com as constantes ameaças de invasões, queimadas e desmatamentos, eles ainda enfrentam a pandemia que já infectou mais de 40 indígenas”, informa a jornalista Luciana Oliveira em seu blog. Os Suruí são um retrato do abandono e o descaso do governo com os povos originários.

O que mais preocupa o povo Suruí é perder seus anciãos, como tem ocorrido em outras aldeias indígenas que têm visto suas lideranças serem levadas por essa grave enfermidade, como aconteceu recentemente com o Aritana Yawalapiti, 71 anos.

Já são mais de 17 mil casos registrados em toda a Amazônia, com 564 mortes de povos indígenas de 123 povos, segundo a Coordenação dos Povos Indígenas Brasileiros (COIAB).

Em vídeo, os indígenas clamam por ajuda. Assista.

Leia a carta do Povo Paiter Suruí sobre a situação

O Povo Paiter Suruí, através desta carta, vem expor a atual situação da comunidade em face do coronavírus que atingiu as aldeias e exigir das autoridades responsáveis medidas urgentes para a contenção da doença e tratamento dos indígenas infectados.


O coronavírus já atingiu a Terra Indígena Sete de Setembro e atualmente existem 41 casos de indígenas que foram infectados, 13 casos de indígenas que permanecem com o vírus ativo e 4 indígenas em estado crítico de saúde que se encontram internados.


Esta situação não é fato isolado do Povo Paiter Suruí, pois várias comunidades indígenas do estado de Rondônia e do Brasil se encontram do mesmo jeito, chegando em Rondônia a 9 óbitos e 304 infectados apenas no polo do DSEI Vilhena.

Apesar da grave situação do Povo Suruí medidas urgentes ainda não foram tomadas para conter o vírus dentro das comunidades e os indígenas em estado grave que correm risco de morte ainda não foram transferidos para a UTI por falta de leitos.


Diante da situação exposta, o Povo Paiter Suruí vem solicitar imediata providencia das autoridades responsáveis:

• Instalação de um Hospital de Campanha com UTI para atender os povos indígenas de Rondônia e Mato Grosso atendidas pelos DSEI Porto Velho e Vilhena;
• Contratação de mais profissionais de saúde para atenderem nos DSEI e nos postos de saúde indígena dentro das aldeia, com equipamentos e medicamentos necessários para atender os casos de COVID.
• Teste para ser feito em todos os indígenas, que apresentem os sintomas de Covid;
• Divulgação diária por povo indígenas junto as suas Associações e comunidades.
• Criação de um Comitê de Dialago composto por representantes dos povos indígenas, parceiros (ONGS) e profissionais de saúde.
Nos colocamos à disposição para mais informações ou esclarecimentos.

Assinam as lideranças Paiter Surui

Almir Narayamoga Surui
Anine Gaami surui
Naraykokir Surui
Mopiri surui
Agamenon surui
Romero surui
Rubens Naraikoe Surui

Avatar de Lelê Teles

Lelê Teles

Formado pela Universidade de Brasília, Lelê Teles é jornalista, roteirista e publicitário. É roteirista do programa Estação Periferia (TV Brasil) e da série De Quebrada em Quebrada (Prodav 09). Sua novela, Lagoas, foi premiada na Primeira Bienal de Cultura da UNE. Discípulo do Mestre Cafuna, prega o cafunismo, que é um lenitivo para a midiotia e cura para os midiotas.

Em 2021, escolha a Fórum.

Todos os dias Fórum publica de 80 a 100 matérias desde às 6h da manhã até à meia-noite. São 18h de textos inéditos feitos pela equipe de 10 jornalistas da redação e também por mais de três dezenas de colaboradores eventuais.

E ainda temos 3 programas diários no YouTube. O Fórum Café, com Cris Coghi e Plínio Teodoro, o Fórum Onze e Meia, com Dri Delorenzo e este editor, e o Jornal da Fórum, com Cynara Menezes. Além de vários outros programas semanais, como o Fórum Sindical, apresentado pela Maria Frô.

Tudo envolve custos. E é uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar neste ano, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

É fácil. Clique em apoiar e escolha a melhor forma de escolher a Fórum em 2021.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR