CPI aprova acareação entre Luis Miranda e Onyx Lorenzoni

Os dois devem se encontrar frente a frente na comissão no dia 18 de agosto, anuncia Randolfe Rodrigues

A CPI do Genocídio aprovou, nesta quarta-feira (11), a realização de uma acareação entre o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) e o ministro do Trabalho de Jair Bolsonaro, Onyx Lorenzoni.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da comissão, anunciou, pelas redes sociais, que a acareação deve ocorrer no dia 18 de agosto.

A possibilidade do encontro não estava prevista para ser votada nesta quarta. Porém, durante depoimento de Jailton Batista, diretor da farmacêutica Vitamedic, o presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM), anunciou o requerimento “diante da relevância” do tema.

A solicitação foi protocolada por Randolfe. Ele destaca, no requerimento, as “contradições” envolvendo as versões diferentes apresentadas em relação ao processo de importação da vacina indiana Covaxin, contra a Covid-19.

A compra do imunizante foi cancelada pelo governo de Jair Bolsonaro, depois de suspeitas de irregularidades no contrato. Além da CPI, o Ministério Público (MP), o Tribunal de Contas da União (TCU) e a Polícia Federal (PF) investigam as negociações e seus intermediários na compra da Covaxin.

Denúncias

O deputado Luis Miranda e seu irmão Luis Ricardo Miranda, servidor do Ministério da Saúde, denunciaram à CPI supostas fraudes na documentação e nas negociações, que foram intermediadas pela empresa Precisa Medicamentos.

Além disso, os irmãos apontaram a existência de pressão pela liberação da Covaxin, mesmo com a área técnica apresentando indícios de irregularidades no contrato.

Publicidade
Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR