CPI do Genocídio: Senadores do PT protocolam pedido de convocação de Carlos Bolsonaro

Humberto Costa e Rogério Carvalho acreditam que “é preciso esclarecer qual é o papel do citado vereador na elaboração da estratégia do governo federal no enfrentamento da pandemia”

Os senadores Humberto Costa (PT-PE) e Rogério Carvalho (PT-SE) protocolaram, nesta segunda-feira (17), novo pedido de convocação do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) para depor na CPI do Genocídio. O objetivo é apurar a formação de um “Ministério da Saúde paralelo”, que estaria aconselhando Jair Bolsonaro nos rumos do combate à pandemia do coronavírus.

Conforme o requerimento dos parlamentares, “é preciso esclarecer qual é o papel do citado vereador na elaboração da estratégia do governo federal no enfrentamento da pandemia”.

O nome do filho do presidente foi mencionado nos depoimentos do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta e do gerente-geral da Pfizer na América Latina, Carlos Murillo.

Mandetta disse que havia o funcionamento de uma espécie de comissão de aconselhamento paralelo, da qual ele não fazia parte. “Eu, por exemplo, testemunhei várias vezes reunião de ministros onde o filho do presidente, que é vereador no Rio de Janeiro, estava sentado atrás tomando as notas da reunião. Eles tinham constantemente reuniões com esses grupos dentro da presidência”, declarou.

Mais confirmação

O representante da Pfizer confirmou a presença de Carlos Bolsonaro em reuniões com a empresa no Planalto, junto com o ex-secretário de Comunicação da presidência Fábio Wajngarten.

Diante desse cenário, Costa e Carvalho entendem, que a declaração “reforçou a tese da existência de um ‘ministério paralelo’ ao Ministério da Saúde, atuando no governo, e que tem influenciado o presidente da República em ações relativas ao combate à pandemia de Covid-19”.

Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.