Defensoria tenta barrar Enem com argumento que Inep mentiu sobre ocupação de salas

Ação traz informação da UFSC de que lotação no local será de 80%, acima dos 50% que órgão do MEC tinha dito à Justiça que manteria; termo “Inep mentiu” é um dos mais comentados do Twitter

A Defensoria Pública da União (DPU) ingressou neste sábado (16) com novo pedido à primeira instância da Justiça Federal em São Paulo pedindo adiamento do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), cujas provas impressas estão marcadas para 17 e 24 de janeiro de 2021. O argumento é que o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) estaria prevendo a lotação das salas em desacordo com o protocolo sanitário estabelecido. Esse fato, na visão da DPU, pode aumentar o risco de contágio e disseminação da Covid-19.

No novo pedido, a DPU argumenta que a decisão anterior, que manteve as datas do Enem, “foi fundamentada em contexto fático distinto da realidade, por conta da alteração da verdade dos fatos pelos réus”. Na petição, o defensor regional de direitos humanos da DPU em São Paulo (DRDH-SP), João Paulo de Campos Dorini, ainda defende a condenação dos réus por litigância de má-fé, nos termos do art. 81, parágrafo 3º, do Código de Processo Civil (CPC).

No processo, o defensor destacou que a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) se comprometeu a ceder salas para as provas do Enem a pedido dos organizadores, desde que a lotação dos espaços se limitasse a 40% da capacidade. Apesar da solicitação, a UFSC foi surpreendida com a distribuição dos candidatos pelos organizadores com a utilização de 80% da capacidade das salas. Ele também anexou notícias da imprensa nacional sobre o tema.

Dessa forma, de acordo com o pedido ajuizado pelo defensor, “os réus mentiram não só para a Justiça Federal de São Paulo, mas também para a UFSC. Disso decorre duas gravíssimas consequências: a necessidade de revisão de uma decisão judicial fundada na clara alteração da verdade dos fatos, e a constatação de que os réus faltaram com a lealdade processual que deles se espera e que devem ser considerados litigantes de má-fé”.

“Inep mentiu” vira assunto mais comentado

A notícia da ação fez o termo “Inep mentiu” ser um dos mais comentados do Twitter neste sábado.

Os internautas destacaram o fato de que o Inep tinha argumentado que manteria a lotação de apenas 50% nas salas, o que a ação da DPU mostrou que não é verdade.

Avatar de Fabíola Salani

Fabíola Salani

Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.

Em 2021, escolha a Fórum.

Fazer jornalismo comprometido com os direitos humanos e uma perspectiva de justiça social exige apoio dos leitores. Porque se depender do mercado e da publicidade oficial de governos liberais esses projetos serão eliminados. Eles têm lado e sabem muito bem quem devem apoiar.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR