Deputado bolsonarista que recusou CoronaVac vai para fim da fila da vacinação

Delegado Humberto Teófilo (PSL-GO) quis escolher a vacina e, agora, só será imunizado depois de toda a população acima de 18 anos

O deputado estadual bolsonarista, Delegado Humberto Teófilo (PSL-GO), que se recusou a tomar a vacina CoronaVac, contra a Covid-19, terá mesmo de ir para o final da fila da imunização, em Goiânia. A decisão da manutenção da medida foi da juíza Marina Cardoso Buchdid.

Ela negou o pedido do parlamentar, que não queria ir para o final, de acordo com informações de Guilherme Rodrigues, no G1.

Teófilo agendou vacinação pelo aplicativo da prefeitura da capital de Goiás. Ele filmou o trajeto até a sala de imunização.

No vídeo, o deputado entra no local e questiona a enfermeira sobre qual o imunizante será aplicado. Ela responde que é a CoronaVac. Ele, então, se recusa.

“É CoronaVac? Mas essa não vou tomar, não. Não tem outra opção de vacina? Essa não vou tomar, não”, disse o deputado.

Depois da recusa, a Secretaria de Saúde divulgou que ele foi para o final da fila da vacinação, conforme decreto municipal. Agora, Teófilo só poderá receber o imunizante depois de toda a população acima de 18 anos.

A juíza argumentou que o Poder Executivo pode, sim, estabelecer as medidas normativas e administrativas de enfrentamento ao coronavírus, o que inclui, também, a inibição dos cidadãos que escolhem qual imunizante pretendem receber.

Administração pública

Publicidade

Marina Buchdid destacou que não cabe ao Judiciário, mas, sim, à administração pública, a escolha da melhor forma de alcançar a imunização da população, estabelecendo meios para coibir aqueles que possam promover um atraso no trabalho desenvolvido, tendo por base o interesse público sobre o particular.

Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR