Em janeiro, Precisa já havia lucrado com venda da Covaxin à clínica privada

Empresa “vendeu” 3 mil doses do imunizante para a Clínica de Vacinas MDC, de Porto Alegre (RS), e não entregou uma dose sequer até agora; caso está na Justiça

O escândalo da compra da Covaxin pelo governo de Jair Bolsonaro, suspensa nesta terça-feira (29), tem mais tentáculos do que se imagina. A Precisa Medicamentos começou a faturar com as vendas da vacina indiana para clínicas privadas ainda em janeiro.

Portanto, isso acontecia antes, ainda, da assinatura do contrato firmado entre a empresa e o governo e, também, de obter autorização de importação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). As informações são da coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo.

O acordo com o setor privado foi acertado um mês antes do contrato da Precisa com o Ministério da Saúde.

O esquema foi denunciado por uma ação movida pela Clínica de Vacinas MDC, de Porto Alegre (RS), que chegou a gastar R$ 66,4 mil da primeira parcela da compra dos imunizantes e não recebeu uma dose sequer até agora. A clínica está processando a Precisa para ter o dinheiro de volta.

Na ação, a MDC afirma que foi procurada pela Precisa no final de janeiro. Neste momento, assinou contrato para a compra de 3 mil doses da Covaxin, por US$ 40,28 a unidade, equivalente, à época, a R$ 664 mil.

Outro contrato

O acerto foi feito baseado em um outro contrato, firmado entre a Precisa e a Associação Brasileira de Clínicas de Vacinas (ABCVAC). Este previa que a Precisa venderia, com prioridade, 5 milhões de vacinas aos associados da entidade, como a MDC.

Os senadores da CPI do Genocídio pretendem apurar o apoio do governo à iniciativa privada, ao mesmo tempo em que atrasava a compra dos imunizantes para a rede pública.

Publicidade
Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR