Enfermeiros do Rio denunciam desperdício de vacina contra Covid-19 por “falta de organização”

Doses do imunizante Oxford/AstraZeneca foram jogadas fora por falta de uso. Fluxo de pessoas do grupo prioritário estaria baixo

O Sindicato dos Enfermeiros do Rio de Janeiro (Sindenf-RJ) já recebeu, até o momento, oito denúncias de enfermeiros sobre desperdício de vacina contra Covid-19 em unidades de saúde do município. A entidade vê “falta de organização” na forma como o imunizante está sendo administrado.

Uma das denúncias recebidas pelo sindicato, segundo reportagem do UOL, ocorreu em uma Clínica da Família da zona oeste. Segundo relatos dos profissionais de saúde, um vidro inteiro do imunizante Oxford/AstraZeneca foi descartado com vacina por falta de uso. Cada frasco tem dez doses do imunizante.

A orientação era, até então, imunizar profissionais de saúde com 60 anos ou mais. Contudo, segundo a reportagem, o fluxo desse público-alvo está pequeno. Ainda, após a abertura do frasco da vacina, as doses devem ser usadas em até 6 horas.

“A orientação que nós tivemos era de dar a dose apenas para esse público-alvo. Jogamos fora porque ficamos com medo de vacinar uma outra pessoa e depois nos chamarem atenção ou até sermos demitidos. Mas isso é um absurdo, isso parte o coração”, relatou ao UOL um profissional de saúde.

Em resposta, a Secretaria Municipal de Saúde disse que, caso haja sobra de doses, para evitar desperdício, “está excepcionalmente indicada a aplicação em outros profissionais da própria unidade, mas essa situação deve ser realizada sob supervisão, para garantir que de fato se tratem de doses excedentes à demanda do dia”.

Matéria corrigida no dia 01/02/2021, às 17h30. Diferentemente do que havia sido informado, as denúncias foram feitas ao Sindicato dos Enfermeiros do Rio (Sindenfrj) e não ao Coren-RJ (Conselho Regional de Enfermagem).

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR