Idoso com Covid-19 morre dois dias após passar por tratamento não autorizado com cloroquina diluída

Familiares fizeram uma denúncia no MP alegando que o medicamento contribuiu para a piora do idoso

Um paciente de 69 anos, infectado com Covid-19, morreu no Hospital Caridade de Alecrim, no Rio Grande do Sul, dois dias após passar por um tratamento não autorizado com inalações de hidroxicloroquina diluída. Segundo o portal Gaúcha ZH, o tratamento, que não tem eficácia comprovada e é considerado experimental, foi prescrito pelo médico Paulo Gilberto Dorneles.

A família do paciente Lourenço Pereira diz não ter sido consultada sobre o tratamento e afirma que não emitiu nenhuma autorização. Os familiares fizeram uma denúncia ao Ministério Público com pedido de investigação do caso, alegando que o medicamento contribuiu para a piora do quadro de saúde do idoso. 

Em prontuário obtido pela família, há a menção de que, no segundo dia de internação, em 20 de março, o médico prescreveu inalações de hidroxicloroquina a cada seis horas. “Diluir e nebulizar conforme orientação”, diz o campo do prontuário em que são anotadas as “observações”.

No dia seguinte, Lourenço Pereira apresentou piora em seu estado de saúde. O médico então deixou de fazer as inalações e receitou a ingestão de um comprimido por dia de hidroxicloroquina pela via oral. O medicamento não tem eficácia comprovada contra a doença.

A prescrição permaneceu assim até o dia seguinte, 22 de março, quando Pereira perdeu os sinais vitais e faleceu. O médico diz que a nebulização com hidroxicloroquina não afetou o quadro de saúde do paciente.

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.