Mandetta afirma que, com militares, Ministério da Saúde “perdeu a credibilidade para falar”

Ex-ministro afirmou que falta de transparência sobre os dados da Covid é prejudicial e criticou atuação de Bolsonaro

O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, voltou a criticar a atuação dos militares que estão na pasta e afirmou que o ministério “perdeu credibilidade” diante das ações do presidente Jair Bolsonaro na pandemia do coronavírus.

Em um debate online organizado pela revista IstoÉ e pelo Instituto Brasiliense de Direito Público, Mandetta afirmou que a falta de transparência em relação aos dados da pandemia no Brasil prejudicam a atuação do ministério.

“Em saúde ter segredos é o caminho mais rápido da tragédia”, disse, lembrando que, a partir do momento em que os cargos centrais do ministério foram assumidos por militares, os números pararam de ser divulgados diariamente às 17h, como era feito em sua gestão.

Diante disso, o ex-ministro considerou que a pasta “não tem mais credibilidade para vir a público falar”, e ainda ressaltou que, mesmo com os altos números de mortos e infectados, a pandemia ainda não está acabando. Segundo Mandetta, a doença ainda esta começando a se alastrar na região Sul. “Temos o Centro-Oeste que ainda não aconteceu, e ainda vamos ver essas segundas ondas”, completou.

Sobre a atuação do presidente, Mandetta afirmou que a má gestão em relação à pandemia não se deu por falta de conhecimento, e que, quando ocupava o cargo de ministro, Bolsonaro afirmou que “essa doença é que nem chuva, eu quero que todo mundo se molhe” para “acabar de vez com isso”.

“O presidente nunca deixou de saber quais eram os cenários reais. Assim como sua Casa Civil, assim como seu corpo de ministros. Sabiam os passos que iam dar, sabiam dos momentos duros que teríamos pela frente”, disse Mandetta.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR