Manobrista pede para cliente colocar máscara e é agredido; veja o vídeo aqui

Sujeito saiu do carro sem máscara e foi buscar o ticket. Com a negativa do manobrista ele reagiu dando um soco e um chute

O manobrista Gerson Rocha, de 29 anos, relatou ao G1, nesta sexta-feira (7), ter levado um soco e um chute após pedir para um cliente colocar máscara de proteção. O caso ocorreu nesta quarta-feira, em Santos, litoral de São Paulo. Imagens de câmeras de monitoramento flagraram o ocorrido.

Rocha diz que o cliente chegou ao estacionamento e parou o carro, saiu do veículo já sem a máscara no rosto, e seguiu para buscar o ticket.

“Eu então solicitei para colocar a máscara, mas ele se recusou, saiu andando em direção à rua e retornou reforçando o pedido do ticket, ainda sem usá-la. Reforcei que assim que ele colocasse a máscara eu forneceria, então, ele tentou retirar à força o ticket da minha mão, com a máscara toda torta, e em sequência desferiu um soco, seguido de um chute. Aí, saiu do estabelecimento falando palavras de baixo calão. Isso tudo em menos de um minuto dentro do estacionamento”, conta o manobrista.

Rocha disse ainda: “Ele ainda me chamou de folgado quando pedi que ele usasse a máscara. Eu fiquei sem reação, porque ninguém espera que a pessoa vá partir para a agressão, ainda mais um cliente, com uma postura errada, se achar no direito disso, quando o que o pedi foi o mínimo: que usasse um equipamento de prevenção. Assim que informei um dos sócios do estacionamento sobre o ocorrido, ele ficou incrédulo”, afirma.

O manobrista afirmou ainda saber “que é uma chatice usar máscara, mas não podemos pensar só em nós, e sim, em nossos familiares e amigos, que moram e vivem perto de nós, ainda mais ali no estacionamento, que é ao lado de um hospital”, destaca.

Antônio Armbrust, de 41 anos, um dos proprietários do estacionamento, disse que o funcionário agiu corretamente e seguiu o protocolo que é determinado pelo estacionamento. “Vamos dar todo o amparo que ele precisa para tomar todas as providências que estejam de acordo com a lei. Não dá mais para admitir esse tipo de coisa, é um desrespeito a mim, ao funcionário e à toda a sociedade, pelo momento que vivemos. Há milhares de mortos devido à pandemia, agir assim é injustificável”, finaliza.

A vítima registrou a ocorrência na Delegacia Eletrônica, pela internet. Por meio de nota, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) afirmou que boletim eletrônico ainda está em análise.

Com informações do G1

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.