domingo, 27 set 2020
Publicidade

Na Colômbia, prefeito bate de frente com governo de Duque e convoca médicos cubanos para combater coronavírus

Daniel Quintero, prefeito da cidade de Medellín, decidiu bater de frente com o governo do presidente Iván Duque ao enviar, nesta segunda-feira (27), um pedido formal para contar com a ajuda de médicos cubanos no enfrentamento da pandemia de covid-19 em seu município, um dos que tem maior população em toda a Colômbia.

O prefeito também enviou uma carta ao presidente Duque, na qual garante a quantidade de leitos de terapia intensiva disponíveis na sua região já está em níveis críticos. “Em termos de equipamento tecnológico, a cidade tampouco possui suficientes deles, e apenas 118 especialistas em terapia intensiva, o que também é insuficiente para garantir que os equipamentos que temos poderão ser usados para salvar os pacientes mais graves”, diz o prefeito.

O Ministério das Relações Exteriores da Colômbia questionou a iniciativa, dizendo que “para se fazer um pedido desse tipo, os canais diplomáticos devem ser seguidos rigorosamente. Ou seja, ele não pode ser feito por uma prefeitura, pois deve passar antes por este Ministério das Relações Exteriores”.

A chanceler da Colômbia, Claudia Blum disse que o governo trabalha em iniciativas para aumentar o número de profissionais de saúde que cuidam de pacientes com covid-19, mas também afirmou que pretende “priorizar profissionais colombianos”.

Por sua parte, Quintero alega que “todos os seres humanos precisam uns dos outros, independente das fronteiras, raças e ideologias. Pedimos ajuda de Cuba como também pedimos do Reino Unido e dos Estados Unidos, para obter doses da vacina que esses países estão preparando”.

No caso de Cuba, além dos médicos, Medellín também solicita doses de medicamentos desenvolvidos pela ilha socialista e que já foram usados por médicos cubanos em outros países, como a Biomodulina-T.

Quintero é um político de centro-direita, ligado ao partido Independientes, e que afirma defender um “liberalismo social-democrata”.

Victor Farinelli
Victor Farinelli
Jornalista formado pela Universidade Católica de Santos, há 15 anos é correspondente na Argentina (2004 e 2005) e no Chile (desde 2006).