Negociador da Davati no Brasil recebeu auxílio emergencial no ano passado

Cristiano Alberto Carvalho teria negociado com o ministério da Saúde a venda de 400 milhões de vacinas

O empresário Cristiano Alberto Carvalho, representante da empresa Davati no Brasil, recebeu auxílio emergencial do governo do presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) entre abril e dezembro do ano passado.

De acordo com a coluna de Lauro Jardim, ele recebeu no período R$ 4,2 mil de recursos do Ministério da Cidadania, então comandado por Onyx Lorenzoni, destinados a cidadãos com dificuldades financeiras na pandemia.

Negociação comprovada

O Ministério da Saúde negociou oficialmente venda de vacinas com representantes da Davati Medical Supply. O jornal Folha de S. Paulo obteve e-mails trocados entre Roberto Ferreira Dias, diretor de Logística do ministério, Herman Cardenas, que aparece como CEO da empresa, e Cristiano Alberto Carvalho, que se apresenta como procurador dela que comprovam a negociação.

Quebra de sigilo

A CPI da Covid pode votar ainda a quebra de sigilos e a convocação de Cristiano Alberto Hossri Carvalho. Outro requerimento prevê a quebra dos sigilos de Silvio Barbosa de Assis.

De acordo com reportagem publicada pela revista Crusoé, ele teria oferecido R$ 6 milhões ao deputado Luis Miranda para “abafar” as denúncias de irregularidades na compra da Covaxin. Os requerimentos foram apresentados pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE).

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR