Pequim registra apenas 3 novos contágios de coronavírus, menor cifra desde início do surto

Capital chinesa identificou primeiros casos de contágio locais em 12 de junho, até então só tinha pacientes que chegaram infectados à cidade. Autoridades pedem mais tempo para determinar se o vírus está sob controle

Um total de 3 novos casos de coronavírus. Este foi o número oficial anunciado pelas autoridades municipais de Pequim nesta terça-feira, o menor registrado desde o início do surto na cidade, no dia 12 de junho.

Naquele dia, a Comissão Nacional de Saúde da China revelou que havia 11 pacientes que se contagiaram na cidade, número que cresceu nos dias seguintes e levou o governo municipal a declarar lockdown nos bairros afetados.

Até então, a capital chinesa só tinha pacientes com covid que foram infectados fora e chegaram à cidade com o vírus. As autoridades de saúde suspeitam que, assim como aconteceu em Wuhan, o surto em Pequim também se iniciou em um mercado livre da cidade.

Segundo os números oficiais, houve 328 casos oficiais de pacientes de covid-19 em Pequim que se infectaram na cidade nestes últimos 18 dias, desde a identificação dos primeiros casos.

Os 3 casos de contágio anunciados nesta terça representam uma queda importante em comparação com o fim-de-semana: na segunda foram anunciados 19 casos novos, no domingo 12 e no sábado 17. Apesar disso, as autoridades locais pediram mais dias com números similares ao desta terça para poder declarar que o vírus está sob controle.

Na China como um todo, a cifra total de contágios por coronavírus é de 84,8 mil, com 4,6 mil mortes e 79,6 mil pessoas curadas.

Avatar de Victor Farinelli

Victor Farinelli

Jornalista formado pela Universidade Católica de Santos, há 15 anos é correspondente na Argentina (2004 e 2005) e no Chile (desde 2006).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR