Ricardo Barros foi citado por Bolsonaro como envolvido no escândalo da Covaxin, confirma Miranda

Ex-ministro e líder do governo foi apontado pelo deputado Luis Miranda como figura central na compra irregular da vacina indiana

O ex-ministro e atual deputado federal, Ricardo Barros (PP-PR), entra, definitivamente, na mira da CPI do Genocídio. O deputado Luís Miranda (DEM-DF) afirmou que, quando levou a Jair Bolsonaro, em março, os indícios de corrupção da compra da Covaxin, o presidente afirmou que seria “coisa” do líder do governo na Câmara: Ricardo Barros.

Alguns senadores, como Rogério Carvalho (PT-SE) e Alessandro Vieira (Cidadania-SE), já tinham sugerido o nome de Barros como sendo o pivô do escândalo. Porém, Miranda insistia durante todo o depoimento que não se lembrava quem era o deputado. Após muita insistência, ele admitiu.

O servidor Luis Ricardo Miranda já havia afirmado que uma colega, Regina Célia Silva Oliveira, fiscal do contrato sob investigação, deu aval para a continuidade do processo de importação da Covaxin, mesmo com as irregularidades. Regina Célia está no Ministério da Saúde por indicação de Ricardo Barros.

Aziz

O presidente da CPI do Genocídio, senador Omar Aziz (PSD-AM), declarou que Jair Bolsonaro “prevaricou” no escândalo de compra da vacina indiana Covaxin.

A afirmação foi motivada por uma intervenção do senador governista, Jorginho Mello (PL-SC), dizendo que o presidente, alertado sobre as suspeitas de corrupção no caso, teria pedido ao ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, para investigar.

“Respeito o senador Jorginho Mello, mas essa informação que foi transmitida a ele é mentirosa. O presidente Bolsonaro não pediu que o Pazuello investigasse nada, mesmo porque ele seria exonerado em seguida. O presidente prevaricou. Ele só resolveu pedir apuração do caso esses dias”, disse Aziz.

Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR