Rosa Weber envia à PGR notícia-crime contra Bolsonaro por promover cloroquina

Pedido foi protocolado pelo PDT, que alegou que o presidente “coloca a vida da população em risco” com atitude; Augusto Aras deve decidir se abrirá investigação

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber encaminhou à Procuradoria-Geral da República (PGR) uma notícia-crime apresentada pelo PDT contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por promover o uso da cloroquina no tratamento da Covid-19. Caberá ao procurador-geral da República, Augusto Aras, analisar se prossegue com a investigação ou se arquiva o pedido.

O partido protocolou o pedido no dia 9 de fevereiro. A sigla acusa o chefe do Executivo de colocar a vida da população em risco com a “promoção de medicamentos ineficazes contra a Covid-19”.

Na ação, assinada pelo presidente do PDT, Carlos Lupi, o partido aponta a “indicação sistemática de tratamento precoce para a Covid-19 e da produção de 3,2 milhões de comprimidos de cloroquina e hidroxocloroquina sem licitação”.

Na última quarta-feira (17), o Ministério da Saúde abriu um chamamento público para compra de mais hidroxicloroquina. O aviso inclui outros medicamentos a serem adquiridos, mas não há quantidade definida para nenhum deles. No caso da hidroxicloroquina, não há definição de qual o uso que será dado ao medicamento.

“Todos os estudos apontaram que o remédio [cloroquina] não interfere no quadro do paciente com o vírus nem reduz chances de contágio”, diz o documento. “Mesmo diante disso, o presidente da República e o Ministério da Saúde lançaram campanha para a utilização de tratamento precoce contra a Covid-19, especificamente com a criação do aplicativo ‘TrateCov’, em que se recomendava o uso da cloroquina”, afirma a legenda no pedido.

O partido também lembra que após quase um ano difundindo o uso da cloroquina, o próprio Bolsonaro chegou a admitir, em live recente, que o medicamento pode ser um “placebo” e que “tudo bem”, pois pelo menos, nas palavras dele, “não matei ninguém”.

Avatar de Fabíola Salani

Fabíola Salani

Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR