Imprensa livre e independente
01 de julho de 2016, 19h33

Criação da AmBev foi realizada com violações de direitos

O Ministério Público Federal recebeu uma denúncia contra a AmBev por violação de direitos humanos e econômicos. Ela foi apresentada pela Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos depois que diversos trabalhadores e empresários que trabalhavam para a Brahma e a Antártica relataram abusos na época da fusão que deu origem à AmBev Por Jornal GGN O Ministério Público Federal recebeu uma denúncia contra a AmBev por violação de direitos humanos e econômicos. Ela foi apresentada pela Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos depois que diversos trabalhadores e empresários que trabalhavam para a Brahma e a Antártica relataram abusos na época da fusão...

O Ministério Público Federal recebeu uma denúncia contra a AmBev por violação de direitos humanos e econômicos. Ela foi apresentada pela Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos depois que diversos trabalhadores e empresários que trabalhavam para a Brahma e a Antártica relataram abusos na época da fusão que deu origem à AmBev

Por Jornal GGN

O Ministério Público Federal recebeu uma denúncia contra a AmBev por violação de direitos humanos e econômicos. Ela foi apresentada pela Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos depois que diversos trabalhadores e empresários que trabalhavam para a Brahma e a Antártica relataram abusos na época da fusão que deu origem à AmBev.

“Estamos indagando as redes de proteção do Estado – formadas pelo Judiciário, MPF e órgãos complementares – quanto a indícios dessa violação. Se essas pessoas foram lesadas e prejudicadas em seus direitos e quais os procedimentos que devem ser adotados”, disse a ouvidora, Irina Karla Bacci.

Os distribuidores de bebidas que atendiam as empresas na época disseram que, com a fusão, passaram a ter que cumprir exigências abusivas. Com isso, ficaram sem recursos até para pagar direitos trabalhistas.

Veja também:  Capa de O Dia detona Eduardo Bolsonaro: “chapeiros cariocas também querem embaixada”

“O negócio dos distribuidores foi inviabilizado. Muitos adoeceram, alguns se suicidaram”, lembra a ouvidora. Em sua avaliação, a denúncia traz dois fatos fundamentais, que devem ser apurados: o não cumprimento do acordo firmado pela AmBev com os distribuidores; e as consequências da fusão para os negócios dos distribuidores.

Isso para não falar da demora da Justiça em avaliar o processo, que tramita há mais de dez anos em São Paulo. “Essa demora está fora do que se pode considerar um tempo razoável da tramitação, pode ser entendida como uma violação dos direitos humanos dos trabalhadores e distribuidores. Houve prazo suficiente para a Justiça de São Paulo chegar a uma decisão sobre o caso. Esperamos trazer essas denúncias para dentro do processo”.

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça já condenou a AmBev a pagar uma indenização de R$ 1,7 milhão a uma distribuidora do Rio de Janeiro, por abuso na relação comercial. Os empresários alegavam que a fabricante mantinha contrato com “cláusula draconiana”, que determinava a venda de bebidas a um concorrente maior a “preço vil”.

Veja também:  Acabou a mamata? Eduardo Bolsonaro vai dobrar seu salário como embaixador nos EUA

“As consequências relacionadas à fusão das empresas e criação da AmBev nos parece ter gerado violações de direitos humanos, visto pela perspectiva da vida das pessoas envolvidas, pois interferiu no exercício de sua cidadania, de seu direito à dignidade. O passivo acumulado e as dívidas geraram uma série de sofrimentos. E todo cidadão tem direito a uma vida econômica salutar”, defendeu a ouvidora.

Sua expectativa é que a solução desse caso sirva de experiência para a AmBev em futuras fusões, e que a empresa aprenda a agir com responsabilidade social diante da cadeia de valor.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum