Imprensa livre e independente
11 de julho de 2016, 18h05

Criolo vai até o norte do Brasil apoiar luta indígena contra construção de hidrelétrica

A usina hidrelétrica de São Luiz, considerada a “nova Belo Monte”, ainda está no papel, mas o povo Munduruku promete resistência caso a construção realmente se inicie. A terra onde será construída a usina é considerada sagrada, é dela que eles sobrevivem e onde habitaram seus antepassados Por Redação O cantor e compositor Criolo publicou uma foto em seu Facebook, na tarde desta segunda-feira (11) se solidarizando a luta do povo Munduruku contra a construção da usina hidrelétrica de São Luiz, no rio Tapajós, no Pará. Criolo escreveu que os indígenas lutam para “floresta não virar cemitério alagado e rio...

A usina hidrelétrica de São Luiz, considerada a “nova Belo Monte”, ainda está no papel, mas o povo Munduruku promete resistência caso a construção realmente se inicie. A terra onde será construída a usina é considerada sagrada, é dela que eles sobrevivem e onde habitaram seus antepassados

Por Redação

O cantor e compositor Criolo publicou uma foto em seu Facebook, na tarde desta segunda-feira (11) se solidarizando a luta do povo Munduruku contra a construção da usina hidrelétrica de São Luiz, no rio Tapajós, no Pará.

Criolo escreveu que os indígenas lutam para “floresta não virar cemitério alagado e rio vivo não virar lago morto”.

“Lutam pra salvar seu rio, nosso rio que é lindo, que é vida. Lutam pra salvar a floresta, nossa floresta que nem temos ideia do quanto é gigante e linda e o quanto já foi devastada. Lutam pra floresta não virar cemitério alagado e rio vivo não virar lago morto. Lutam por seu povo e pela sua, nossa história ancestral”, postou o músico.

Os Mundurukus habitam uma área de 1.780 km², quase 20% maior do que o município de São Paulo, que ainda não foi regulamentada pelo Governo Federal. A hidrelétrica vai afetar diretamente as vidas das famílias que habitam a região.

Veja também:  Inteligência russa afirma que drone dos EUA violou espaço aéreo iraniano antes de ser derrubado

A terra que a futura usina vai ocupar é sagrada para o povo Munduruku, é dela que eles sobrevivem e onde habitaram os seus antepassados. Os indígenas já prometeram resistência caso a apelidada de “Nova Belo Monte” saia do papel.

A usina São Luiz pode gerar 4.012 MW dos 206.000 MW que o Brasil necessita implantar. Em contrapartida a nova hidrelétrica vai alagar 40% da floresta amazônica. Em abril o Ibama suspendeu o licenciamento da usina com base no licenciamento da Funai que dizia que a construção de São Luiz traria “impactos irreversíveis” para os povos que habitam a região.

Foto de Capa: Otávio Almeida

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum