FAKE NEWS

Regina Duarte vai pagar R$ 30 mil por fake news com Leila Diniz

Em 2022, bolsonarista compartilhou um vídeo em que a imagem da artista era usada de forma descontextualizada para exaltar Bolsonaro

Regina Duarte foi secretária de Cultura do governo Bolsonaro.Créditos: Isac Nóbrega/PR
Escrito en CULTURA el

A atriz bolsonarista Regina Duarte está condenada pelo Juizado Especial Cível da Lagoa, no Rio de Janeiro, a pagar indenização de R$ 30 mil por danos morais à filha de Leila Diniz, Janaína Diniz. A sentença reconhece o uso indevido da imagem de Leila em um vídeo fake publicado por Regina em suas redes sociais, em apoio ao golpe militar de 1964 e à ditadura brasileira.

“Eu não poderia deixar de defender a imagem de minha mãe nem deixar que alguém altere a história de acordo com o que quer. A utilização caluniosa da imagem de minha mãe é inaceitável e me deixa profundamente indignada. As pessoas precisam aprender a ter respeito pela memória das outras, pela imagem construída por toda uma vida”, apontou Janaína.

Em dezembro de 2022, Regina Duarte compartilhou em suas redes sociais um vídeo do então presidente Jair Bolsonaro, onde utilizava uma foto da Leila, sem autorização, para defender o regime militar e a censura, tirando tudo de contexto. Inconformada com a apropriação indevida da imagem de sua mãe, Janaína ajuizou uma ação contra a atriz, de acordo com o blog do Ancelmo Gois, do jornal O Globo.

Além disso, a Justiça determinou que ela remova a publicação em um prazo de 48h. Em caso de descumprimento, ela pagará uma multa de R$ 1 mil ao dia. A sentença determina ainda que Regina Duarte faça uma retratação pública com “a publicação em todas as suas redes de vídeo em que explicita que Leila Diniz nunca apoiou a ditadura militar e que a fotografia utilizada no conteúdo infringente foi, na verdade, feita em um contexto de oposição ao regime e à censura”.

A advogada Maria Isabel Tancredo, do João Tancredo Escritório de Advocacia, que representa a filha da atriz, repudiou a utilização da imagem de sua mãe no vídeo. “A trajetória de vida da atriz Leila Diniz sempre foi marcada pela defesa da liberdade, contra a censura e contra a ditadura militar e seu moralismo conservador. A vinculação da imagem da atriz a uma defesa tão explícita da ditadura militar é absurda e merece toda a repulsa e punição”, destacou. “É uma utilização indevida e grave da imagem da atriz”.

Em um momento da campanha eleitoral, a imagem de um protesto realizado em 1968 por atrizes contra a censura na ditadura militar foi utilizada para defender o regime. Na foto, apareciam Leila Diniz, Eva Todor, Tônia Carrero, Eva Wilma, Odete Lara e Norma Bengell, que no entanto, foi manipulada, afirmando que “1964 foi uma exigência da sociedade” e que “as mulheres nas ruas pediam o restabelecimento da ordem”.