45ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo anuncia seleção 2021

Famosa Mostra SP voltará a ocupar salas de cinema em regime híbrido de exibição, presencial e online para o Brasil inteiro, com alguns dos maiores premiados em Festivais internacionais, como Cannes, Berlim e Veneza

Foi dada a largada para a maratona anual favorita de toda a cinefilia, em anúncio emocionado da diretora da 45ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, Renata Almeida, numa coletiva de imprensa realizada este sábado 09 de outubro de 2021, com participação de colaboradores e patrocinadores. As lágrimas eram de mais pura felicidade e ao mesmo tempo em tom reverencial, pois o retorno deste consagrado Festival também significa alguns passos lúdicos e representativos a mais na direção de uma superação, ainda mais perante todos os momentos difíceis que andamos vivendo (se quiserem conferir debate prévio com a diretora do Festival, cliquem aqui).

De 21 de outubro a 03 de novembro, acontece em São Paulo a tradicional Mostra Internacional de Cinema, que neste ano terá formato híbrido de exibição. Durante duas semanas, as seções Perspectiva Internacional, Competição Novos Diretores e Mostra Brasil vão apresentar 265 títulos de vários países em circuito de salas de cinemas da cidade de São Paulo e também nas plataformas Sesc Digital, Itaú Cultural Play e Mostra Play (todas acessadas pelo site da Mostra: www.mostra.org).

Este período sempre significou uma injeção de ânimo através dos sonhos na tela grande do cinema e, ainda que a saúde pública tenha demandado cuidados que tornaram a edição anterior da Mostra exclusivamente numa versão online, este ano veremos a cidade de São Paulo começar a ser reocupada com o espírito cinéfilo revitalizante. Uma potência que apenas a arte pode proporcionar de iluminação em meio aos tempos mais escuros – como a metáfora de uma sala de cinema.

E, como a arte vem salvando muita saúde emocional nesta fase, não à toa a própria Mostra trouxe inúmeras homenagens, inclusive a arte do cartaz e da vinheta desta edição. Todo ano assinadas por algum artista convidado nacional ou estrangeiro de renome, desta vez teve como autor o grande Ziraldo, que desenhou um cosmos celestial com o qual nós podemos interagir e segurar as estrelas na palma de nossas mãos – na simbologia recebida de forma mais unânime pelo público em muitos anos.

Como a própria Renata destacou, também há uma forte influência do tempo em que estamos vivendo na seleção de filmes. Há de exemplo um gesto de agradecimento à própria imprensa por todo o seu trabalho neste momento de crise, assim como ontem mesmo também o Nobel da Paz 2021 foi entregue aos jornalistas que lutam pela liberdade de expressão. A Mostra trouxe algumas homenagens deste naipe, vide o muito esperado “A Conexão Francesa” de Wes Anderson, com elenco estelar (Bill Murray, Timothé Chalamet, Tilda Swinton e muito mais), e que brilhou em Cannes este ano. – Uma verdadeira carta de amor à resistência destes profissionais da comunicação, que muitas vezes arriscam sua vida para prover informação apurada diante de conflitos mundiais.

Assim como foi citada também a recente invasão do Afeganistão pelos talibãs com a retirada das tropas norte-americanas, algo que se reflete na escolha de outros dois filmes a dialogar o papel da imprensa e do cenário mundial contemporâneo: “O uivo da romã” (“When the promeganates howl”) de Granaz Moussavi (diretora que também é jornalista) e “Os cães não dormiram ontem à noite” (“Sag-ha dishab na-khabidand”), de Ramin Rasouli.

A Revista Fórum também esteve presente na coletiva de imprensa e perguntou à diretora do Festival, na figura de alicerce cultural anual para toda uma formação de cinefilia, como a curadoria deste ano refletiu o anseio do público que aguardou ansiosamente a Mostra como um símbolo de resistência e de retorno a alguma normalidade saudável dos cinemas? E se poderia citar alguns filmes que representem este abraço aos fãs? 

Em resposta, ela confirmou que haverá alguns dos mais esperados longas-metragens premiados do ano, como a Palma de Ouro em Cannes, segunda a laurear uma diretora mulher em mais de 70 anos de história, que foi “Titane” da francesa Julia Ducournau (também do Cult “Raw”, 2016), além do Prêmio do Júri no mesmo Festival que foi “Memória” do Apichatpong Weerasethakul com Tilda Swinton. Também o Urso de Ouro do Festival de Berlim, “Má sorte no sexo ou pornô amador” (“Babardeala cu bucluc sau porno balamuc”) do romeno Radu Jude.

Publicidade

Outros destaques da seleção incluem: “France”, de Bruno Dumont, “Ao Cair do Sol” (Sundown) de Michel Franco, “Marx Pode Esperar” (“Marx Can Wait”) de Marco Bellocchio, “A Caixa” (“La Caja”) de Lorenzo Viga (Leoncino d’Oro Agiscuola Award – Cinema for UNICEF, em Veneza), “Annette” de Leos Carax (Melhor Direção | Festival de Cannes), “Zalava” de Arsalan Amiri (vencedor da Semana da Crítica | Festival de Veneza), “Encontros” (“Introdution”) de Hong Sang-soo (Melhor Roteiro | Festival de Berlim), “Sr. Bachmann e Seus Alunos” (Mr. Bachmann and His Clas) de Maria Speth (Prêmios do Júri e do Público | Festival de Berlim).

Programação gratuita ao ar livre no Vão Livre do Masp e Anhangabaú, exibe, entre outros títulos, “Summer of Soul” (… ou, Quando a Revolução Não Pode Ser Televisionada)” (“Summer of Soul (…Or, When the Revolution Could Not Be Televised)”) de QuestLove, “Bob Cuspe, Nós Não Gostamos de Gente” de Cesar Cabral, nosso vencedor brasileiro do Festival de Annecy e a estreia mundial de “A Viagem de Pedro” da consagrada Laís Bodanzky.

Publicidade

Haverá homenagem póstuma ao diretor português Paulo Rocha, com retrospectiva de sete de seus filmes, entre os quais “Os Verdes Anos”, “A Ilha dos Amores”, “Mudar de Vida”, e exibição do longa “A Távola do Rocha” dirigido por Samuel Barbosa, que foi assistente do diretor.

A diretora brasileira Helena Ignez será homenageada com o Prêmio Leon Cakoff e com o lançamento do livro Helena Ignez, atriz experimental, de Pedro Guimarães e Sandro de Oliveira.

E, pelo quinto ano consecutivo, a Mostra e o Itaú Cultural realizam mais uma edição do Fórum Mostra, que promove encontros e debates de cinema, economia criativa e assuntos contemporâneos da cultura, de 27 a 30 de outubro

Em parceria com a ACNUR – Agência da ONU para Refugiados e com o Museu da Imigração, a 45ª Mostra apresenta no Museu, nos dias 22 e 23, programação que inclui os filmes “7 Prisioneiros” de Alexandre Moratto, e “Pegando a Estrada” (“I Hit the Road”) de Panah Panahi (filho do cineasta renomado Jafar Panahi).

A seleção deste ano faz um apanhado do cinema contemporâneo mundial produzido e exibido sob o impacto da pandemia que atingiu a indústria cinematográfica em todos os continentes. Este ano, a Mostra terá dois tipos de pacotes de ingresso: os exclusivos para as exibições digitais e outros apenas para as sessões presenciais. Alguns títulos da seleção serão exibidos com exclusividade nos cinemas.

Tendo em vista que a 45ª Mostra terá número reduzido de convidados, além das apresentações presenciais nos cinemas, a presença dos diretores e profissionais da área se dará também por meio de vídeos enviados previamente. Debates e entrevistas serão apresentados virtualmente no Canal da Mostra do Youtube e pelo site da Mostra.

As sessões presenciais seguirão rígidos protocolos de segurança contra a covid-19:

– ocupação de apenas 50% da lotação das salas/espaços,

– distanciamento social,

– exigência do comprovante de vacinação,

– uso obrigatório de máscara, que deverá permanecer na face durante o período de exibição.

A programação de filmes da Mostra nos cinemas estabelece um intervalo de 30 min entre as sessões para que as salas sejam completamente higienizadas eos cinemas vão disponibilizar álcool em gel. Após o término de cada sessão, o público deverá respeitar a ordem de saída, começando pela última fileira, evitando assim aglomeração.


PATROCINADORES DA 45ª MOSTRA

Apresentam a 45ª MOSTRA o MINISTÉRIO DO TURISMO, o GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO, por meio da SECRETARIA DE CULTURA E ECONOMIA CRIATIVA e a PREFEITURA DE SÃO PAULO. O evento conta com o patrocínio da SPCINE, SABESP e ITAÚ; a parceria do SESC; o apoio do PROJETO PARADISO; a colaboração do ITAÚ CULTURAL, da QUATRO CINCO UM, da VELOX, do MASP, do HOTEL RENAISSANCE, do CONJUNTO NACIONAL, da ACNUR – Agência da ONU para Refugiados e do MUSEU DA IMIGRAÇÃO; e a promoção da FOLHA DE S.PAULO, da GLOBO FILMES, da TV CULTURA, do CANAL ARTE 1 e da BAND NEWS FM.

Confira lista completa de filmes anunciados até agora clicando aqui.

Confira a íntegra da coletiva:

Avatar de Filippo Pitanga

Filippo Pitanga

Jornalista e advogado, crítico, curador e professor de cinema

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR