“A democracia está sendo ameaçada todo santo dia”, diz Marieta Severo

A atriz, que revelou votar em Lula, afirmou ter medo das eleições de 2022, mas alertou: “Esse ano é o ano de berrar, gritar, tentar convencer, tentar ver quem são esses 20% da população”

Ao celebrarem 15 anos do Teatro Poeira, de propriedade de Marieta Severo, 75 anos, e Andréa Beltrão, 58 anos, as sócias convivem com dificuldades com o projeto de desmonte da cultura nacional, promovido pelo governo de Jair Bolsonaro (PL).

As atrizes revelaram que, sem hesitar, votarão em Lula (PT) em outubro deste ano. Elas afirmam que o ambiente político de perseguição e desmanche, em todos os setores culturais, afeta pessoalmente a dupla, pois desestimula qualquer centelha de criatividade, elemento imprescindível para o ofício cênico.

“Nunca se falou tanto na palavra ‘democracia’, por quê? Porque ela está sendo ameaçada todo santo dia. Temos que relembrar todo dia o que é a democracia, vendo as instituições ruindo por dentro. Esse ano é o ano de berrar, gritar, tentar convencer, tentar ver quem são esses 20% da população. Qual a alma de vocês para apoiar isso? Eu tenho medo”, destaca Marieta, em entrevista a Gustavo Zeitel, na Folha de S.Paulo.

A atriz relata que o setor teatral foi um dos mais atingidos pelos cortes de patrocínio da Petrobras, a partir de 2019. As redes bolsonaristas falavam em “fim da mamata”, o que ficou provado que era um argumento totalmente sem sentido. “É má-intenção. Conseguiram colar essa pecha na gente. A mamata deles continuou. Só não é desvendada porque eles se protegem”, aponta Marieta.

“Fizemos todo o Poeira com o nosso dinheiro. Mas não temos nenhum problema com a Lei Rouanet, a gente só tem a favor. Todos os países do mundo têm incentivo cultural, que rende milhões e emprega milhões. Essa secretaria de Cultura que está aí não entende nada”, critica a atriz.

“Witzel, Crivella, Cláudio Castro, são tão nocivos e insignificantes ao mesmo tempo”, diz Andréa

A crise econômica que afeta o Rio de Janeiro também prejudica a administração do Teatro Poeira.

Witzel, Crivella, Cláudio Castro, são tão nocivos e insignificantes ao mesmo tempo. Agora, não tenho mais essa questão de ‘se é religioso é careta’. Chega um momento em que uma ausência total do Estado em relação aos direitos dos habitantes da cidade abre um espaço que precisa ser ocupado”, reflete Andréa.

Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.