Abaixo-assinado em solidariedade ao cartunista Renato Aroeira bate 50 mil assinaturas

Artista é alvo de perseguição do governo Bolsonaro por conta de uma charge que associa o presidente ao nazismo pelo seu incentivo à invasão de hospitais

Vem crescendo, nas redes sociais, uma onda de solidariedade ao cartunista Renato Aroeira por conta da perseguição que ele vem sofrendo por parte do governo Bolsonaro.

Um abaixo-assinado em defesa da liberdade de expressão, em apoio ao artista e em repúdio ao governo federal já conta com mais de 50 mil assinaturas, e o volume dos apoios segue crescendo.

Na segunda-feira (15), a Secretaria de Comunicação (Secom) de Bolsonaro ameaçou, via Twitter, processar Aroeira por conta de uma charge que associa o presidente ao nazismo por conta de seu incentivo à invasão de hospitais. A ameaça se estende ao jornalista Ricardo Noblat, que compartilhou a charge.

Depois, o ministro da Justiça, André Mendonça, disse que solicitou à Polícia Federal e à procuradoria-geral da República a abertura de um inquérito contra o chargista e o jornalista, invocando a Lei de Segurança Nacional.

“O ministro viu ameaças à “segurança nacional” (sic) numa charge em que Aroeira ironiza as falas do Presidente da República incitando seus seguidores a invadirem e filmarem hospitais. Ao dizer que um desenho de humor leva perigo à integridade do Estado, o ministro expressa um delírio fanático e alimenta as fantasias totalitárias dos criminosos que promovem ataques crescentes contra a democracia no Brasil”, diz o texto do abaixo-assinado em solidariedade a Aroeira.

Além do abaixo-assinado, diversos outros artistas prestaram solidariedade a Aroeira criando outras versões da charge que se tornou a base para a perseguição encampada pelo governo.

Confira.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR