Artista negro assassinado pela PM, NegoVila é homenageado em São Paulo

Ato em memória do artista urbano contou com a presença de dezenas de pessoas e incluiu a apresentação de um grafiti do seu rosto realizado por colegas

O artista urbano Wellington Copido Benfati, mais conhecido como NegoVila, foi homenageado neste sábado (19), em um ato realizado na rua Belmiro Braga, na Vila Madalena, Zona Oeste de São Paulo, que reuniu cerca de 30 pessoas.

NegoVila tinha 40 anos quando foi assassinado, no último dia 28 de novembro, durante uma ação abusiva da Polícia Militar de São Paulo. Ele tentou interceder em favor de um amigo que estava sendo abordado por policiais, e acabou sendo ele o atingido por um tiro disparado pelos oficiais, segundo versão de testemunhas que presenciaram a ocorrência.

A homenagem ao artista contou com várias atividades, incluindo a apresentação de um grafiti do seu rosto e do sambista Mydras Schimidt, morto em chacina ocorrida em 2015, na sede da torcida organizada corinthiana Pavilhão Nove. A obra foi realizada por cinco artistas amigos de NegoVila.

“A mensagem que queremos passar é: chega de nós matar. Chega de genocídio. Chega de matar o povo preto”, disse Tatei, amigo de infância do artista, em entrevista ao Agora São Paulo.

Avatar de Victor Farinelli

Victor Farinelli

Jornalista formado pela Universidade Católica de Santos, há 15 anos é correspondente na Argentina (2004 e 2005) e no Chile (desde 2006).

Em 2021, escolha a Fórum.

Fazer jornalismo comprometido com os direitos humanos e uma perspectiva de justiça social exige apoio dos leitores. Porque se depender do mercado e da publicidade oficial de governos liberais esses projetos serão eliminados. Eles têm lado e sabem muito bem quem devem apoiar.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR