Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
17 de fevereiro de 2019, 21h21

“As pessoas estão curiosas para entender o que acontece no Brasil”, diz cineasta premiada em Berlim

Ainda na Alemanha, Eliza Capai revela à Fórum que os debates sobre o filme a ajudaram a entender melhor o momento político brasileiro

Foto: Divulgação

O cinema brasileiro está fazendo bonito no tradicional Festival de Berlim (Berlinale), na Alemanha. O filme Espero Tua (Re)Volta”, que aborda as ocupações dos estudantes secundaristas, exigindo educação de qualidade nas escolas de São Paulo em 2015, conquistou o importante prêmio da Anistia Internacional e da Paz.

Ainda em Berlim, a diretora Eliza Capai, em entrevista à Fórum, ressalta a importância de ser uma porta-voz das questões sociais brasileiras.

Segundo Eliza, a receptividade à sua produção foi ótima. “Eu cheguei aqui muito ansiosa, nervosa sem saber se as pessoas iriam entender o filme. Nossa estreia foi em um cinema na Casa de Cultura, que tem mais de mil lugares e estava lotado. Quando acabou a sessão, as pessoas aplaudiram de pé, e isso se repetiu na segunda sessão. Aconteceram quatro sessões e mais duas no domingo (17), todas lotadas”, revela a diretora.

“É emocionante viver isso. Nesses dias aqui em Berlim houve debates muito fortes. As pessoas estão curiosas para entender o que está acontecendo no Brasil. Eu me esforcei muito para contar fatos. E ao contar o que era fato, em inglês, para pessoas que não estão em nenhum dos dois lados do Fla-Flu e me escutar falando essas coisas eu fui levando um susto muito grande com o que a gente está vivendo agora no Brasil. Isso me ajudou muito a entender esse nosso momento político. Eu me senti muito honrada de servir como porta-voz disso tudo”, diz.

Eliza destaca que já se sentiu recompensada ao ver seu filme selecionado. “Estrear em um festival do tamanho da Berlinale, em uma cidade como Berlim, já é uma grande emoção. Ainda mais por se tratar de um filme que fala sobre lutas estudantis e que discute democracia e escola pública de qualidade, que é um belo cenário para começar essa trajetória”, acrescenta.

Estímulo

Para a diretoria, receber o prêmio da Anistia Internacional por um filme relacionado a direitos humanos vai impulsionar a produção. “Vai nos ajudar na distribuição na Alemanha e em outros países da Europa. Receber o prêmio pela paz, em um filme onde se explodem tantas bombas, por intermédio da polícia, com esse uso de força desproporcional, como a polícia trata os movimentos sociais no geral e, especificamente, os estudantes, é uma honra muito grande”, destaca.

Eliza conta sobre o enredo do filme: “O objetivo número 1 é contar a história dos estudantes secundaristas que ocuparam mais de 200 escolas em São Paulo, por que isso aconteceu e quais as consequências da luta para esses meninos. Então, o filme começa em junho de 2013, quando vários deles foram para a rua pela primeira vez, conta das ocupações de 2015 e termina na eleição de Bolsonaro com a pergunta: O que vai ser desse futuro?”.

Protagonismo

O filme é contado pelos personagens Coca, Nayara e Marcela. Coca é um menino negro, Nayara é uma menina do interior, que abraça as causas LGBT, e Marcela é uma mulher negra.

“Eles são os protagonistas e nesse momento do Brasil, em que a gente vê uma tentativa de falar para os LGBTs voltarem para o armário, para os negros voltarem para a senzala e para as mulheres voltarem para a cozinha, ver essas pessoas protagonistas é muito emocionante.”

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum