Fórumcast, o podcast da Fórum
22 de abril de 2019, 23h02

Banda Dead Kennedys diz que não sabia de pôster alusivo a Bolsonaro e revolta fãs

“A banda sente que não pode presumir saber o suficiente sobre situações em outros países para entrar em suas políticas específicas. O cartaz liberado não reflete uma declaração política ou posição do Dead Kennedys”, diz comunicado oficial do grupo

Foto: Reprodução/Twitter

A banda Dead Kennedys provocou revolta nos fãs brasileiros. Na noite desta segunda-feira (22), o grupo divulgou um comunicado oficial, anunciando que não autorizava o uso do pôster criado pelo artista brasileiro Cristiano Suarez.

No cartaz, feito exclusivamente para divulgar as datas da turnê de maio pelo Brasil, é retratada uma família que veste camisetas da seleção brasileira e que usa perucas em referência ao palhaço Bozo, nome pelo qual o presidente Bolsonaro passou a ser chamado por seus opositores. Os integrantes da família, incluindo as crianças, seguram armas e, ao fundo, é possível ver favelas explodindo.

“I love the smell of poor dead in the morning!” (em português, “eu amo o cheiro de pobre morto pela manhã!”), diz um dos personagens no pôster.

Na nota oficial, a banda explicou que o cartaz “foi divulgado pelo promotor dos shows sem o conhecimento do Dead Kennedys, e não é autorizado”.

Antifascista

“O Dead Kennedys é uma banda punk americana icônica que é conhecida por suas declarações políticas e assume uma forte posição antifascista, antiviolência, no entanto, a banda sente que não pode presumir saber o suficiente sobre situações em outros países para entrar em suas políticas específicas. O cartaz liberado não reflete uma declaração política ou posição do Dead Kennedys. A mensagem básica da banda tem sido, e ainda é, pedir que as pessoas pensem por si mesmas, não para lhes dizer o que pensar”, destacou o comunicado.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum