Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
20 de agosto de 2019, 12h24

Consuelo de Paula é Maryákoré, Katxerê, Marielle da maré em novo álbum

“Maryákoré” traz uma artista no esplendor de seus fazeres artísticos, canto, composição, voz, violão, paixão. O melhor de tudo, no entanto, é que ela atinge este auge com jeito duradouro, fome e gás para muitas outras voltas

Consuelo de Paula, que também é Maria, virou “Maryákoré” para batizar o seu sétimo álbum, um lindo desafio onde a cantora e compositora, tão afeita aos cantos da nossa gente, mergulha no mais profundo dos brasis, na busca pelos sons dos nossos primeiros habitantes.

Além de seu prenome, a palavra-título junta koré (flecha na língua paresi-haliti, família Aruak), oré (nós em tupi-guarani), yakoré (nome próprio africano). “Maryákoré” é uma contundente resposta em dois movimentos aos nossos dias. A própria canção-título traduz, em seu verso chave, a que veio o álbum: “Sou a fumaça que sobe na mata na hora mais quente / a fogueira no quintal da minha gente / sou maryákoré, katxerê, marielle da maré / sou a lua, a luta e os nossos olhos brilhando horizontes”

Todas as canções são de Consuelo de Paulo, com exceção de duas: “Ventoyá”, com letra de Déa Trancoso e “Remando Contra a Maré”, com melodia de Rafael Altério. Além disso, Consuelo assina a direção, os arranjos, algumas percussões (caixa do divino, cincerro, unhas de lhama, entre outros) e todos os violões, que ao lado de sua voz, são a marca registrada do disco.

Em uma direção quase oposta, Consuelo de Paula segue a tradição de João Gilberto, do cantautor onde a base de sua obra se concentra no canto e no toque do violão. O Brasil de Consuelo, no entanto, como foi dito acima, é descentralizado. Corre do eixo Rio-São Paulo para os seus rincões.

Ainda na direção do avesso, “Maryákoré” não é, em momento algum, folclorizado. Sua música, assim como em Villa-Lobos, é uma ode aos nossos povos que prescinde de qualquer cópia. Assim como ela mesma explica, é uma canção que “traduz uma arte guerreira e amorosa, que se alimenta da força dos ventos, das brisas e das tempestades; nasceu entre o dia e a noite, entre a cidade e as matas, entre raios e trovões”.

Suas harmonias são ricas, as melodias lindas e donas de uma leveza inconfundível, as letras são sonoras e contundentes. Um conjunto de sentimentos improváveis onde ternura e luta se fundem, como no belo e surpreendente samba de roda “Chamamento”, uma versão guerreira para o “ninguém solta a mão de ninguém”:

“Vai chamar meu povo / o pajé, o capoeira / as senhoras, as meninas / … / vai chamar o sol mais quente / a lua cheia, a ventania, o trovão fora de hora / o raio e a nossa alegria / … /”.

Além de Consuelo de Paulo em vários instrumentos, “Maryákoré” conta com Carlinhos Ferreira na percussão e Guilherme Ribeiro no piano. Um álbum quase orgânico, onde a experiência da autora em rodas de violeiros, cantorias e reuniões se sobressai de maneira milimetricamente refinada e prazerosa.

“Maryákoré” traz, enfim, uma artista no esplendor de seus fazeres artísticos, canto, composição, voz, violão, paixão. O melhor de tudo, no entanto, é que ela atinge este auge com jeito duradouro, fome e gás para muitas outras voltas.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum