Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
18 de março de 2019, 07h44

Duofel e Passoca juntos em disco

Passoca assina as composições e o Duofel, os arranjos

Foto: Divulgação

Acaba de ser lançado o álbum “Duofel com Passoca”, que reúne o duo de violões formado pelos músicos Fernando Melo e Luiz Bueno e, é claro, o compositor e violeiro Marco Antônio Vilalba, mais conhecido como Passoca.

Tanto o Duofel quanto Passoca, veteranos com carreiras longevas, que beiram os 40 anos de trajetória, têm em comum o compromisso de não envelhecer. A música que fazem é sempre inquieta, inovadora, sem nunca perder o direito do ouvinte ao prazer e à fruição.

O Duofel, que trabalha mais na vertente instrumental, é responsável por discos antológicos, tanto com composições próprias quanto de outros artistas. Em 2009, lançaram com grande sucesso o álbum “Duofel Play The Beatles”, onde reviram do avesso as canções do famoso quarteto.

Já o Passoca é violeiro, cantor e compositor apaixonado pelo universo da música caipira, especialmente a de São Paulo. Autor de algumas obras-primas, entre elas o clássico “Sonora Garoa”, já fez álbuns com inéditos de Adoniram Barbosa, regravou João Pacífico entre outros.

A reunião dessas duas forças da nossa música resulta em bela soma, aglomerado de talentos em um esparramar de belezas que transitam nas duas áreas. “Duofel com Passoca” é um disco onde, apesar de Passoca assinar as composições e o Duofel os arranjos, o todo manda mais que as suas partes. Não se trata de um disco dos violonistas acompanhando o compositor nem vice e versa.

A canção “Nasce a Canção”, de Passoca e Renato Teixeira, que abre o álbum, é séria candidata a clássico. A linda melodia transita pelos versos com destreza onde o homem, seu tempo e espaço, num grande exemplo de metalinguagem, compõe a obra que apresenta no mesmo instante em que a canta ao ouvinte. Renato aparece ainda em “Água na Boca”, outra bela parceria.

Logo em seguida, o tema instrumental “Viola Celta-Ibérica”, de Passoca interpretado pelos três, apesar do título autoexplicativo, é repleta de surpresas na execução. O mesmo se dá em “Picadinho” e “Correinha”, esta dedicada ao violeiro Roberto Correia.

Os temas instrumentais se alternam às microcanções, marca registrada de Passoca. Em alguns quase haicais musicados, o compositor muita beleza com o mínimo. O Duofel, por sua vez, com a extrema capacidade de seus integrantes em formar uma sonoridade coesa, única, faz do álbum um mosaico de cordas muito próprio e particular.

O álbum traz ainda a bela participação da cantora Rita Bastos que, além de cantar, é parceira na canção “Um Bem”. No mais, o disco ainda conta com a cantoria de Ronaldo Rayol em “Nú-Metrô” e “Flying Banana”, esta última uma ótima surpresa que Passoca desencavou do antológico álbum da sua banda seminal e homônima. O trio Flying Banana, do qual fez parte, lançou apenas um álbum, em 1977, que virou raridade disputada a tapas nos sebos do país.

“Duofel com Passoca”, só pra brincar que é candidato a clássico, ainda trem uma ótima versão para “Quando o samba acabou”, de Noel Rosa. Um álbum simples, lindo, com cheiro de passado e pronto pro futuro.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum