No rastro do crime ambiental nas praias do Nordeste
12 de abril de 2019, 15h46

Festival Feminino promove a edição paralela “Encontros”, com shows gratuitos e debates

Nesta edição vão participar Fabiana Cozza, Linn da Quebrada, Orquídeas do Brasil e Tiê

Foto: Montagem/Divulgação

O Festival Feminino promove, nos dias 12 e 13 de abril e 03 e 04 de maio, o Feminino “Encontros“, edição paralela ao festival com quatro apresentações de artistas: as cantoras Fabiana Cozza, Linn da Quebrada, Tiê e o grupo Orquídeas do Brasil. A programação é gratuita e também oferece debates.

Os Encontros acontecem em abril no CCNJ – Centro de Culturas Negras do Jabaquara – Mãe Sylvia de Oxalá e em maio no Centro Cultural Olido, no centro da cidade. Em cada data um show, que será precedido por uma roda de conversa com convidad@s, ambos alinhados na narrativa abordada, intensificando a reflexão proposta em cada evento. Os temas das rodas de conversa são: Combate ao Racismo – Uma luta coletiva, Universo Trans – luta por identidade e reconhecimento, Representação feminina nos campos da criação e realização artísticas e Mulheres à frente de grandes ideias e negócios.

Todos os shows e rodas de conversa terão intérprete de libras.

O Festival Feminino pretende com o Encontros estender ainda mais o diálogo sobre a mulher e as questões envolvidas em seu universo nos dias de hoje, além da igualdade de gênero e respeito à diversidade. Questões que na sociedade brasileira ainda precisam estar em pauta.

Vivemos um momento de tensão, carregado de inseguranças, medos e com uma expressiva deficiência no respeito às diferenças e escolhas individuais. O Feminino busca suscitar um espaço de consciência amorosa e pacífica, de igualdade e união“, compartilha Débora Ribeiro de Lima, idealizadora do projeto ao lado de Dani Godoy, do Ninas. “Nosso desejo é que o público ali presente crie este espaço dentro de si e consequentemente na sociedade que vive“, complementa Dani.

A primeira edição do Festival Feminino aconteceu em 2018 e circulou por quatro capitais brasileiras com ingressos esgotados: no Rio de Janeiro, Brasília, São Paulo e Belo Horizonte, com shows de Elza Soares, Pitty, As Bahias, Maria Gadú, Filipe Catto, Xênia França, Tulipa Ruiz, Anelis Assumpção, Tiê, Badi Assad, Fernanda Abreu e Iza.

A segunda edição do Feminino tem previsão para acontecer em outubro deste ano.

O projeto Encontros é realizado através do Edital de Apoio à Criação Artística – Linguagem Música – Secretaria Municipal de Cultura.

SERVIÇO

Festival Feminino, edição “Encontros”

ABRIL

Data: 12/04/2019  (sexta-feira)

Show: Fabiana Cozza – Canto da noite na boca do vento
Horário: 19h  

Roda de Conversa: Combate ao Racismo – Uma luta coletiva
Horário: 17h  

Data: 13/04/2019  (sábado)

Show: Linn da Quebrada – Trava Língua
Horário: 19h  

Roda de Conversa: Universo Trans – luta por identidade e reconhecimento

Horário: 17h  

Local: CCNJ – Centro de Culturas Negras do Jabaquara – Mãe Sylvia de Oxalá

Endereço: R. Arsênio Tavolieri, 45 | Jabaquara, São Paulo

Telefone:  (11) 5011-2421

Duração: 70 minutos

Capacidade: 260 lugares

Classificação: livre

Intérprete de LIBRAS nos shows e rodas de conversa

ENTRADA GRATUITA

Retirada de ingressos: para os shows na bilheteria, 1 hora antes da apresentação (as rodas são abertas ao público)

MAIO

Data: 03/05/2019  (sexta-feira)

Show: Orquídeas do Brasil
Horário: 20h  

Roda de Conversa: Representação feminina nos campos da criação e realização artísticas

Horário: 17h  

Data: 04/05/2019  (sábado)

Show: Tiê
Horário: 19h  

Roda de Conversa: Mulheres à frente de grandes ideias e negócios

Horário: 17h  

Local: Sala Olido (no Centro Cultural Olido)

Endereço: Av. São João, 473 – Centro/São Paulo

Duração: 70 minutos

Capacidade: 293 lugares

Classificação: livre

Intérprete de LIBRAS nos shows e rodas de conversa

ENTRADA GRATUITA

Retirada de ingressos: para os shows na bilheteria, 1 hora antes da apresentação (as rodas são abertas ao público)

PROGRAMAÇÃO DETALHADA – SINOPSES

Rodas de Conversa:

Tema: Combate ao Racismo – Uma luta coletiva

Entender que o racismo é um crime coletivo é um grande passo para colocar fim a essa relação de opressão, muitas vezes velada, existente em nossa sociedade. O racismo está muito presente nos pequenos detalhes e cabe à todas e todos, que defendem a luta antirracista, sair do modo cômodo e se colocar em todas as situações que devem ser questionadas. Pois na luta antirracista temos a missão de eliminar todos os rastros do passado que resistem até hoje no espectro social.

PARTICIPANTES: Rosane Borges (jornalista e professora da Universidade de São Paulo), Juliana Correia (educadora e pesquisadora do Sítio da Ressaca), Erika Hilton (co-deputada pela Bancada Ativista) e Nerie Bento (assessora de imprensa).

Tema: Universo Trans – luta por identidade e reconhecimento

A pauta da transexualidade vem ganhando cada vez mais espaço, mas o tema ainda está longe de estar em terreno justo e seguro. A população trans (termo usado em sentido amplo) ainda é vista e retratada de maneira exótica e sensacionalista na mídia, além de marginalizada na sociedade. As convenções sociais sobre o masculino e feminino se mantém enrijecidas, limitando e censurando o universo queer.

PARTICIPANTES: Paola Valentina Xavier (produtora cultural no Museu da Diversidade Sexual), Laura Prevato (articuladora e ativista pelo Direitos Humanos de trans e travestis), Janaína Lima (ativista do movimento de travestis) e Renata Carvalho (atriz, diretora e dramaturga).

Tema: Representação feminina nos campos da criação e realização artísticas

Vivenciamos há pouco tempo a migração da mulher do campo do objeto para o campo do sujeito. A mulher passou a representar-se e representar a partir do seu olhar e de suas vivências.

A representatividade da mulher em corpo, ideia, sentimento e diversidade em todos os campos artísticos (e fora dele, por certo) muda o rumo da História. Com os mais complexos desafios enfrentados, comunicar o feminino e o feminismo através da música, das artes plásticas, da literatura, do teatro, do cinema, e ocupar um lugar que lhes foi tirado.

PARTICIPANTES: Pri Barbosa (artista visual e designer), Claudia Nwabasili (diretora e coreógrafa da Cia. Pé no MunDo) e Maria Beraldo (instrumentista, cantora e compositora).

Tema: Mulheres à frente de grandes ideias e negócios
Mulheres que viabilizam e tornam reais ideais e projetos empoderadores, tornam-se referência de realização para presentes e futuras gerações. Sim, as mulheres podem. Sim, as mulheres têm grandes ideias e colocam em prática, aumentando a representatividade, derrubando barreiras e fortalecendo as minorias.

PARTICIPANTES: Marina Ruzzi (fundadora do Braga & Ruzzi, primeiro escritório de advocacia para mulheres), Gabriela Mazepa (fundadora da Reroupa) e Karina Barretto (sócia do Futuro Refeitório).

Shows:

Fabiana Cozza – Show Canto da noite na boca do vento

A cantora paulistana, acompanhada do violonista Cainã Cavalcante, apresenta o show do CD “Canto da noite na boca do vento”, dedicado à Dona Ivone Lara. O CD foi gravado e produzido pela gravadora Biscoito Fino e contou com as participações especiais da cantora Maria Bethânia, o cantor Péricles e o arranjador e saxofonista Nailor Proveta.

No repertório, a intérprete deu voz à obra de Ivone e parceiros como Délcio Carvalho, Nei Lopes, Arlindo Cruz, Paulo César Pinheiro, Hermínio Bello de Carvalho, Mano Décio da Viola, Fuleiro, Tio Hélio, Silas de Oliveira e Bacalhau. A única canção inédita do trabalho intitulada “A dama dourada” foi um pedido de Fabiana ao jovem compositor Vidal Assis que dividiu a parceria (letra) com Hermínio Bello de Carvalho.

Linn da Quebrada – Show Trava Língua

Trava Línguas é um processo experimental conduzido por Linn, baseado num jogo de palavras no qual cada apresentação gera algo novo e diferente da anterior. Nos shows, acompanham a artista sua Gig da Quebrada

Se já havia feito barulho com o primeiro hit lançado, “Enviadescer” (2016), Linn da Quebrada estourou com tudo em 2017, na estreia de Pajubá, seu primeiro disco, produzido a partir de um financiamento coletivo com mais de 120% da meta total alcançada. De lá pra cá rodou o Brasil com o show do álbum e realizou cinco turnês no exterior, paralelas à divulgação de “Bixa Travesty”, premiado documentário de Kiko Goifman e Claudia Priscila, protagonizado e co-roteirizado pela própria Linn.

Orquídeas do Brasil

Itamar Assumpção apreciava tanto plantas e flores que, no início dos anos 90, batizou sua banda feminina de “Orquídeas do Brasil”, formada por Tata Fernandes (voz e violão); Miriam Maria (voz); Nina Blauth (percussão e voz); Lelena Anhaia(baixo); Clara Bastos (baixo elétrico e acústico); Adriana Sanchez (teclado, sanfona e voz); Simone Soul (bateria e sampler); Geórgia Branco (guitarra) e Simone Julian (flauta, sax, clarone e voz).

Com as Orquídeas Itamar gravou, em 1993, a trilogia “Bicho de 7 Cabeças”, discos vencedores do 7ª Prêmio Sharp de Música, na categoria “melhor disco pop-rock”. O registro dessas músicas e a série de shows que seguiram marcaram uma mudança na carreira de Itamar, na maneira de compor e de apresentar suas canções. Em 2010, fizeram o lançamento do songbook  “Pretobrás, por que que eu não pensei nisso antes?”. Atualmente o grupo tem o intuito de manter viva essa obra tão grandiosa e poética.

Tiê

A cantora e compositora sobe ao palco acompanhada pelo músico André Whoong para apresentar em formato intimista todas as músicas que marcaram sua carreira, dos álbuns “GAYA” (Warner Music), Esmeraldas (2014), A Coruja e o Coração (2011) e Sweet Jardim (2009).

A cantora recentemente lançou o single “Deixa Queimar”, música que faz parte da trilha sonora da 2ª temporada da série “Carcereiros”, e está em estúdio preparando um novo trabalho audiovisual.

Tiê apresentará este repertório, interagindo com seu público e compartilhando histórias autobiográficas de suas canções.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum