Fórumcast, o podcast da Fórum
23 de abril de 2019, 10h43

Ingrid Guimarães: “Quando a Lei Rouanet acabar, a cultura vai parar nesse País”

“As pessoas demonizaram a Lei Rouanet sem saber a importância que ela tem”, disse a atriz

Foto: Divulgação

A atriz e humorista, Ingrid Guimarães, afirmou durante entrevista ao programa Pânico, na rádio Jovem Pan, nesta segunda-feira (22), que “quando a Lei Rouanet acabar, a cultura vai parar nesse País”, disse.

“As pessoas demonizaram a Lei Rouanet sem saber a importância que ela tem. A verdade é essa. Quando a Lei Rouanet acabar, se é que ela vai acabar, você vai ver como a cultura vai parar nesse País.”

A atriz comentou ainda sobre a falta de informações sobre a lei:

“As pessoas são mal informadas a respeito da lei. Essa frase ‘mamar na teta’ não existe. Eles acham que a lei dá dinheiro pra gente direto. Gente, você tem que prestar conta de tudo que você fez.”

Segundo ela, apesar de ser necessária, a lei precisa ser revista:

“Acho que a gente pode repensar a Lei Rouanet. Esculhambaram sem saber, sem informação suficiente. Acho que a Lei Rouanet tem que ser revista, sim, tem algumas falhas, o pequeno artista fica um pouco desprezado, porque as empresas não querem colocar dinheiro em um artista desconhecido. Eu fui essa artista e vivi isso.”

Diminuição drástica do teto

O ministro da Cidadania, Osmar Terra, divulgou um vídeo, nesta segunda-feira (22), nas redes sociais da pasta anunciando profundas mudanças na lei Rouanet, a começar pelo nome. A normatização das regras para o setor se chamará agora Lei de Incentivo à Cultura.

A alteração mais significativa é a drástica diminuição do valor máximo por projeto inscrito, dos atuais R$ 60 milhões para apenas R$ 1 milhão.

Com informações do RenovaMídia

 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum