Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
24 de abril de 2018, 15h29

Livro reforça a solidariedade aos presos políticos do Paraguai

“Curuguaty – O combate paraguaio por Terra, Justiça e Liberdade”, do gaúcho Leonardo Severo, será lançado nesta sexta-feira (27), na Livraria na Martins Fontes da Avenida Paulista

Leonardo Severo acrescenta que o livro denuncia a manipulação dos grandes conglomerados privados de comunicação em favor do capital, em particular dos latifundiários - Foto: Reprodução/YouTube

 

O jornalista Leonardo Wexell Severo lança nesta sexta-feira (27), na livraria Martins Fontes da Avenida Paulista, em São Paulo, o seu mais recente livro: “Curuguaty – O combate paraguaio por Terra, Justiça e Liberdade”. Na obra, o autor faz uma análise da campanha internacional pela libertação dos camponeses de Curuguaty, condenados a até 35 anos de prisão por crimes que não cometeram, e do papel da solidariedade, que não considera somente “a mais bela das palavras” como “a única ação capaz de pressionar e fazer com que se faça justiça no país vizinho”. “Sem ampliarmos a mobilização internacional, Néstor Castro, Rubén Villalba, Luis Olmedo e Arnaldo Quintana continuarão pagando o preço de terem se insurgido em defesa da reforma agrária e contra a injustiça”, acredita.

Questionado sobre as diferenças desde com seu livro anterior – “Curuguaty, carnificina oara um golpe – O povo paraguaio em luta pela democracia e a soberania”, Severo destacou: “O fato é que esgotada a primeira edição do primeiro livro de abertura sobre o tema, me encontrei frente a um dilema. Na publicação anterior, havia sistematizado o que vi e ouvi ao longo dos anos em que participei como Observador Internacional do caso no Tribunal de Sentenças de Assunção, nas marchas, protestos e dezenas de encontros, para denunciar uma brutal injustiça. Agora, havia sido decidida uma pena completamente absurda e era preciso calibrar a pontaria para contribuir na campanha pela libertação imediata das vítimas, fortalecida com o recente projeto de Anistia. Nas palavras da deputada Rocio Casco, autora do projeto, os camponeses são presos políticos, “vítimas da corrupção e do tráfico de influência que dirigiram uma condenação anunciada, num julgamento de hipóteses fantasiosas em que as verdadeiras provas desapareceram”.

Em função disso, ele ressalta que foi necessário atualizar o trabalho de denúncia feito em mais de meia década sobre o que ocorreu em Marina Kue, Curuguaty, em 15 de junho de 2012. “Ali houve um sangrento confronto provocado por mercenários, por franco-atiradores – com as digitais dos Estados Unidos – que invadiram aquele pequeno acampamento, e que levou à morte de seis policiais e 11 sem-terra e, em decorrência do acontecido, à deposição do presidente Fernando Lugo uma semana depois. Era preciso auxiliar, com mais eficiência, para fortalecer a rede de solidariedade aos camponeses presos, vergonhosamente sentenciados a penas de até 35 anos de cárcere. Como impedir que se perpetue esta terrível barbárie, cometida contra seres humanos cujo único “crime” foi o de lutar pela reforma agrária e conquistar uma terra para plantar e colher?”.

O autor acrescenta que o livro denuncia a manipulação dos grandes conglomerados privados de comunicação em favor do capital, em particular dos latifundiários, mostra como os seus interesses caminham interligados. “Este livro nasceu frente a tantos e tão descarados esforços dos vendilhões da pátria, sabotadores da integração latino-americana, em embutir a descrença na nossa capacidade individual e coletiva de identificação com os demais para conquistar a nova realidade. Ele foi publicado em artigos e reportagens na Revista Diálogos do Sul, nos jornais Hora do Povo e Brasil de Fato, e na Agência Carta Maior. Sem a parceria da nossa imprensa democrática e o apoio do Centro Popular de Cultura da União Municipal dos Estudantes Secundaristas de São Paulo (CPC-UMES), esta empreitada teria sido impossível”.

Leonardo Wexell Severo é gaúcho de Rosário do Sul. Membro do Conselho Consultivo do Centro de Estudos da Mídia Barão de Itararé, redator-especial do jornal Hora do Povo, colaborador da Revista Diálogos do Sul e da Agência Latino-Americana de Informação (Alai). Bacharel em Comunicação Social pela Universidade Federal de Santa Maria-RS, cursou Política e Economia na Escola Júlio Antonio Mella, em Havana-Cuba, sendo pós-graduado em Política Internacional pela Faculdade de Sociologia e Política de São Paulo. É autor dos livros “Bolívia nas ruas e urnas contra o imperialismo” (Editora Limiar, 2008), “Latifúndio Midiota – Crimes, crises e trapaças” (Editora Papiro, 2012), “A CIA contra a Guatemala – Movimentos sociais, mídia e desinformação” (Editora Papiro, 2015) e “Curuguaty, carnificina para um golpe – O povo paraguaio em luta pela democracia e a soberania” (Editora Papiro, 2016).

O lançamento de “Curuguaty, o combate paraguaio por Terra, Justiça e Liberdade” (Editora Papiro, 100 páginas, R$ 20) será nesta sexta-feira (27), das 18h30 às 21h30, na Livraria Martins Fontes, à Avenida Paulista, 509, ao lado da estação de metrô Brigadeiro.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum