Fórumcast, o podcast da Fórum
08 de abril de 2019, 16h29

Livro traz inéditos de Michel Foucault sobre a revolta popular no Irã

O filósofo viajou ao Irã, em 1978, para escrever sobre a rebelião popular contra o regime do Xá. Entrevistou várias pessoas sempre com a mesma pergunta: “O que você quer?”; e da maioria recebeu a mesma resposta: “Um governo islâmico”

Foto: Divulgação

O filósofo Michel Foucault viajou ao Irã, em 1978, a convite do jornal italiano Corriere Della Sera, para produzir reportagens sobre a rebelião popular contra a ditatura Reza Pahlavi, o Xá do Irã no poder desde 1941. Em Teerã e Qom, Michel Foucault entrevistou dezenas de pessoas nas ruas que lhe transmitiram informações não divulgadas pelos jornais do Oriente.

Foto: Divulgação

Mais tarde, entrevistado sobre sua experiência iraniana, fez uma espécie de balanço de grande interesse. Estas entrevistas, nunca antes divulgadas integralmente, estão no livro “O ENIGMA DA REVOLTA – Entrevistas inéditas sobre a Revolução Iraniana”, pela N-1 Edições.

O lançamento acontece na próxima quinta-feira (11), às 19h, no Tapera Taperá (Av. São Luis, 187 – 2° andar, loja 29 – República). Durante o evento haverá um debate em torno do livro com Lorena Balbino (organizadora do livro), Henrique Vieira (Pastor) e Acácio Augusto, professor de sociologia política pela UVV-ES.

A presença do pastor evangélico neste evento pretende problematizar, no contexto brasileiro, a noção de “espiritualidade política” elaborada pelo filósofo no âmbito iraniano. Essa transposição talvez toque num dos desafios maiores de hoje – como pensar a relação da maioria evangélica no Brasil com a política presente.

Um governo islâmico

O interesse do escritor era antigo. Dois anos antes, ele havia assinado um protesto, junto com Sartre, Simone de Beauvoir e Gilles Deleuze, entre outros intelectuais, publicado no jornal Le Monde, contra “o silêncio das autoridades francesas diante das flagrantes violações dos direitos humanos no Irã”. O que estava ocorrendo no Irã não encontrava eco nas páginas dos jornais. Foucault chegou ao Irã quando um caldeirão fervia o país. Dias antes, o governo atirou contra uma multidão manifestante, matando 4.000 pessoas, data conhecida como “Sexta-feira negra”.

Nestas entrevistas, Foucault evitou políticos profissionais. Falou com religiosos, intelectuais, e, para todos eles, repetiu a mesma pergunta: “O que você quer?”; e da maioria recebeu a mesma resposta: “Um governo islâmico”. Ele compreendeu o que estava por trás dessa disto como uma “espiritualidade política” – um desejo de “tornar-se outro do que se é” – e atribuiu-lhe uma importância decisiva.  As entrevistas, chamadas de “reportagens de ideias”, produziram polêmica na França, provocando agressões e xingamentos contra Foucault.

Os textos dão acesso às ideias de Foucault na época sobre a natureza da resistência, do poder, da vontade, da religião, da experiência, do sujeito, sobre Sartre ou os “novos filósofos” – de golpe, é todo um panorama mental que se descortina, de uma riqueza e atualidade extraordinárias. Assim, o filósofo desfez mal-entendidos e desinformações provocadas pela mídia mundial, que tinham uma visão míope sobre o que ocorria no Irã. A experiência de Michel dentro do Irã o transformou, e este livro dá pistas sobre como se cruza esta experiência com sua crítica à sociedade contemporânea.

Ficha Técnica

Título O ENIGMA DA REVOLTA – Entrevistas inéditas sobre a Revolução Iraniana

Autor Michel Foucault

Posfácio Christian Laval

Tradução, organização e apresentação Lorena Balbino

Ano 2019 | 1ª edição

Nº de páginas 144

Dimensões 14 x 21cm 

ISBN 978-85-66943-74-0

Preço de capa R$ 45,00

(PRÉ-VENDA – Disponível em março/2019)

Serviço

Lançamento do livro O Enigma da Revolta

Dia 11 de abril, quinta-feira, às 19h, no Tapera Taperá

(Av. São Luis, 187 – 2° andar, loja)

 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum