Fórumcast, o podcast da Fórum
03 de setembro de 2018, 16h24

Minha mãe e as proparoxítonas de ‘Construção’, de Chico Buarque

Diz a história que a Philips chegou a contratar os serviços de duas fábricas concorrentes para vencer a demanda de dez mil cópias/dia do disco “Construção”

A capa de Construção. Foto: Divulgação

Foi minha mãe quem primeiro chamou a atenção para aquilo. Ao ouvir a canção na TV, em um longínquo 1971, na calorenta cidade praiana de Santos, ficou impressionada com a alternância da última palavra de cada verso a cada uma das estrofes. Além disso, chamou a atenção para outro detalhe. Todas as rimas – as mesmas palavras que eram alternadas – eram proparoxítonas.

Minha mãe já não existe mais, tampouco meu pai, mas desde aquele dia, e para todos os anos em diante, o disco “Construção”, de Chico Buarque – e, sobretudo, a sua canção título – é sempre uma das mais ouvidas e admiradas. Da mesma maneira que foi por ela, minha irmã e meu pai, também pelas minhas filhas e, acredito, será também por ai afora.

O fenômeno não se deu apenas na minha casa. Assim que foi lançado, o disco do Chico vendeu feito banana. Diz a história que a Philips chegou a contratar os serviços de duas fábricas concorrentes para vencer a demanda de dez mil cópias/dia. O álbum também foi eleito como o terceiro melhor de música brasileira de todos os tempos pela revista Rolling Stone.

Trata-se de um disco conceitual, quase como o “Sgt. Peppers”, dos Beatles e tantos lançados à época. Era meio moda, mas não creio que o Chico tenha caído nessa esparrela. O mais provável é que tenha sido uma coisa isolada dele mesmo ter usado a canção “Deus lhe Pague”, que abre o disco e encerra a canção título, para alinhavar tudo.

Entre as duas, ainda aparece “Cotidiano”, uma intrigante e propositalmente repetitiva melodia que narra na primeira pessoa o dia a dia de um trabalhador brasileiro. Entre elas, a linda canção de amor “Desalento”, em parceria com Vinícius de Moraes: “Corre e diz a ela/Que eu entrego os pontos”.

No lado B do LP, “Cordão”, uma típica canção de ‘falso amor’ do Chico, daquelas feitas para burlar a censura da época e esculhambar a ditadura: “Pois quem/Tiver nada pra perder/Vai formar comigo o imenso cordão/E então/Quero ver o vendaval/Quero ver o carnaval/Sair”.

Logo a seguir, mais uma obra-prima surpreende o ouvinte, aos primeiros acordes do majestoso piano do parceiro Tom Jobim, seguidos pelos intrincados versos para a sinuosa melodia de “Olha Maria”. Um ponto fora da curva que compõe de forma quase misteriosa com um apanhado de canções um tanto diretas e incisivas do álbum.

A política ainda chega um tanto disfarçada no “Samba de Orly”, com o violão do parceiro Toquinho, um verso roubado e assinado por Vinícius e a inconfundível batucada do Trio Mocotó. Um samba de exílio e tristeza.

No final das contas, Chico canta a versão em português da magistral “Minha História – Gesubambino”, do mestre Lucio Dalla e Paola Pallotino e encerra com uma linda canção de ninar para uma das filhas. Lembro, no entanto, que o disco nunca chegava ao fim na pequena vitrolinha marca Sonata lá de casa, daquelas que a tampa é a caixa com alto falante.

Hoje, da mesma maneira, é incansavelmente repetido nos headphones, Ipods, Bluethooths e afins das meninas. Não sou do tipo que gosta de elitizar as canções e as conversas, mas, ao ouvir os sucessivos, canhestros e aborrecidos lançamentos que o mercadão lança insistentemente pela TV, acho graça da discussão implausível de então da minha mãe, que era uma dona de casa que nunca teve pendores intelectuais, sobre as proparoxítonas e o disco do Chico.

E morro de saudades.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum