Morre Raul de Souza, um dos maiores trombonistas do mundo

Músico brasileiro morreu na França, país onde vivia desde a década de 90

Publicidade

O trombonista brasileiro Raul de Souza, considerado um dos maiores do mundo, morreu neste domingo (13), aos 86 anos.

“Com muita dor a família comunica o falecimento de RAUL DE SOUZA, hoje à noite, na França. Guerreiro, como sempre, lutou até o final de suas forças contra o câncer. O nosso herói brasileiro partiu para eternidade, deixando pra todos seu maior legado, sua música. Agradecemos imensamente o apoio que todos vocês sempre manifestaram”, diz o comunicado divulgado nas redes sociais do músico e compositor.

Nascido no Rio de Janeiro, em 1937, João José Pereira de Souza começou a tocar aos 16 anos, na banda da Fábrica de Tecidos de Bangu. Em 1957, fez sua primeira gravação, ao lado da Turma da Gafieira, que reunia músicos como o violonista Baden Powell, o baterista Edison Machado e o acordeonista Sivuca.

Mais tarde, fez parte do grupo Bossa Rio, do pianista Sérgio Mendes, com o qual gravou, em 1963, o LP “Você ainda não ouviu nada” e excursionou pelos Estados Unidos e Europa. Na época, integrou também a Orquestra Carioca da Rádio Mayrink Veiga e atuou em programas de televisão, acompanhando vários cantores, dentre os quais Roberto Carlos.

Foi morar nos Estados Unidos na década de 70 e tocou nas bandas de grandes nomes, como J. J. Johnson e Freddie Hubbard.

Na década de 90 Raul se mudou para a França, país onde morreu.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR