Netflix vai ao STF contra censura ao Porta dos Fundos: “Quadro preocupante”

A empresa alega que a medida é inconstitucional e quebra a premissa da liberdade de expressão

A plataforma de streaming Netflix apresentou nesta quinta-feira (9) uma reclamação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a censura imposta pela justiça do Rio de Janeiro ao especial de Natal do Porta dos Fundos. A empresa alega que a ação é inconstitucional.

A censura foi emitida pelo desembargador Benedicto Abicair, que solicitou que o programa fosse retirado do ar, a pedido da Associação Centro Dom Bosco de Fé e Cultura. Para a Associação, o especial violou a fé de milhões de católicos brasileiros e também da sociedade.

A Netflix recorreu a aspectos constitucionais para questionar a medida: “Não há dúvidas de que a recalcitrância da prática da ‘censura judicial’ representa hoje uma das maiores ameaças às liberdades comunicativas no cenário nacional. Esse quadro preocupante reforça os fundamentos para o manejo da presente reclamação. Uma intervenção do STF neste tipo de situação torna-se essencial como instrumento de pedagogia constitucional, voltado a erradicar uma prática proscrita pela Constituição e fazer valer a jurisprudência vinculante desta Corte”, diz a reclamação.

Além disso, a Netflix ressalta o caráter de censura da decisão de Abicair que, para a plataforma de streaming, quebra a premissa de liberdade de expressão. “É que as decisões reclamadas, caso mantidas, têm o condão de causar um efeito silenciador no espectro da liberdade de expressão sobre outros conteúdos audiovisuais de caráter crítico ou satírico, atuais ou futuros”, diz.

O recurso foi designado para Gilmar Mendes, mas, devido ao recesso do Judiciário, deve ser julgado por Dias Toffoli, que está de plantão.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.