Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
12 de março de 2019, 06h03

No mês da mulher, espetáculo sobre Olga Benário estreia em SP

“Falar de Olga nos dias de hoje é falar da luta dos trabalhadores contra a ascensão do fascismo no Brasil e no mundo”, afirmou à Fórum a diretora do espetáculo “Somos todos Olga”, do Bando de Teatro dos Comuns; saiba mais

Foto: Divulgação

No mês que marca o Dia Internacional da Mulher, o Bando de Teatro dos Comuns, companhia formada por atores e militantes de esquerda, faz quatro apresentações em São Paulo do espetáculo “Somos Todos Olga”, uma peça biográfica sobre Olga Benário Prestes, a revolucionária que, ao lado do companheiro, Luiz Carlos Prestes, liderou a Intentona Comunista de 1935.

Presa e entregue pelo então presidente Getúlio Vargas aos nazistas, em 1936, Olga, que era judia e comunista, foi assassinada em 1942 em uma câmara de gás na cidade de Bernburg, Alemanha.

O espetáculo, estrelado e dirigido por Alessandra Cavagna, se passa nos dias de Olga na prisão e é inspirado nas cartas que a ativista escreveu ao seu companheiro Luiz Carlos Prestes e a sua filha Anita Leocádia Prestes.

De teor militante, “Somos Todas Olga” surge em um momento de forte propaganda anticomunista promovida pelo governo de Jair Bolsonaro e dialoga com a ascensão de pensamentos fascistas no Brasil e no mundo.

“Olga foi uma mulher, militante comunista de seu tempo que lutou contra todas as formas de opressão, na defesa dos direitos do proletariado e foi assassinada pelo nazismo. Falar de Olga nos dias de hoje é falar da luta dos trabalhadores contra a ascensão do fascismo no Brasil e no mundo e contra todo o sistema de exploração da força de trabalho do nosso povo. Falar de Olga hoje é reafirmar nossa luta classista, é ir contra todo o tipo de propaganda anticomunista que vem sendo difundida na sociedade”, disse à Fórum a diretora do espetáculo.

De acordo com Alessandra, a peça resgata o conceito de utopia de uma sociedade “realmente justa, democrática e igualitária”.

“Mas não de uma utopia no sentido de um sonho não realizável, mas da Utopia no sentido que Galeano nos traz: ‘A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar’”, explica.

Dedicado a Marielle Franco, o espetáculo estreia na quinta-feira (14), data em que se completa um ano do assassinato, ainda sem respostas, da vereadora do PSOL.

Confira, abaixo, as datas e locais de apresentação.

Dia 14/03 às 21h00
Sede do PCB – Partido Comunista Brasileiro
Rua Francisca Miquelina, 94 – Bixiga

Dia 15/03 às 21h00
Espaço Augusto Boal
Rua Guaianases, 253 – República (Centro)

Dia 16/03 às 19h
Centro Cultural Arte em Construção – Instituto Pombas Urbanas
Av. Dos Metalurgicos, 2100 – Cidade Tiradentes

Dia 23/03 às 19h
CDC – Vento Leste (Espaço Ocupado pelo Dolores Boca Aberta)
Rua Frederico Brotero, 60
Cidade Patriarca

Acesso: pague quanto puder


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum