Fórumcast #19
05 de dezembro de 2017, 16h40

O lindo álbum “Entidade” do duo Choro de Bolso

O que dá o tom para o disco, além das ótimas composições do violonista Canduta e os seus arranjos certeiros, é a perfeita combinação entre ele e a flautista Débora. Os dois tocam juntos há várias décadas

O que dá o tom para o disco, além das ótimas composições do violonista Canduta e os seus arranjos certeiros, é a perfeita combinação entre ele e a flautista Débora.

Por Julinho Bittencourt

A boa notícia pra quem gosta de choro do bom é que acaba de ser lançado “Entidade”, o primeiro disco do duo Choro de Bolso, formado pelos santistas Débora Gozzoli e Marcos Canduta. Logo de cara, chama a atenção o lindo projeto gráfico assinado por Marcelo Pestana e Carlos Cirne, com fotos de Kelly Petraglia. Assim como na música, a capa nos chama a atenção paro o que vai dentro, ou seja, a dualidade entre tradição e modernidade, onde cores vivas se misturam com o sépia e sons de antigamente se fundem a outros modernos.

O que dá o tom para o disco, além das ótimas composições do violonista Canduta e os seus arranjos certeiros, é a perfeita combinação entre ele e a flautista Débora. Os dois tocam juntos há várias décadas. Conseguiram com isso algo raro, que os músicos chamam de interplay e é, simplificando aqui entre nós, um perfeito entrosamento.

Veja também:  Bolsonaro gastou mais de R$201 mil de dinheiro público para ver três jogos da Copa América

O sopro preciso, suave e firme da flauta é pontuado pelo violão inusual e criativo, onde predominam baixos quase como um sete cordas, que são sempre quebrados por dissonâncias e um acento um tanto mais sincopado. O resultado final é único. De fato, uma entidade, nome referência ao duo.

Logo de saída, o choro/maxixe “Calladinho”, feito o dedo do gigante, dá o tom do disco. Apenas com os dois protagonistas – violão e flauta – a bela melodia apresenta o álbum. Em uma conexão quase direta entra “Espumante”, um tanto mais moderna, a sinuosa linha acrescenta apenas o pandeiro preciso de Kleber Serrado.

A primeira parte da faixa-título “Entidade” é apresentada apenas pelo violão de Canduta. Na repetição, a entrada da flauta reabre o choro que havia dado espaço para um acento com ecos hispânicos. A única composição de Débora Gozzoli é a bela valsa “Partida”, que se abre em uma aparente simplicidade, para se desdobrar em uma intrincada trama, muito bem desenvolvida pelos dois instrumentistas.

O choro “O Doutor e a Professora” é alegre e invade o disco feito um dia de sol, com o duo conduzido pelo pandeiro de Edinho Schimdt. Logo em seguida, “Momentos” chega cheia de surpresas e instrumentistas, com destaque para o bandolim de Aleh Ferreira e o cello de Pablo Peres. “Esperando” é outro belo choro de Canduta que volta ao formato de duo, com uma breve e bela exposição melódica de violão no meio.

Veja também:  Por atividade partidária, corregedoria do MP vai monitorar redes sociais de procuradores

“Rosa Branca” é a primeira canção do disco. Com linda letra de Paulo Maymone, é um samba suingado em homenagem à Iemanjá, gravado de forma econômica, mas que faz imaginar também tantos outros arranjos. “Docinho” chega com uma grata surpresa que foge ao estilo predominante. É uma melodia terna e quase infantil, onde todas as vozes são executadas por flautas dobradas por Débora.

Em “Valsa Afetiva” o Choro de Bolso recebe o duo de violões Siqueira Lima e, mais uma vez, Aleh Ferreira. O encontro, melodioso e rico, é muito bem explorado pelo arranjo de Fernanda Lima repleto de cores. Com o incrível pianista André Mehmari, o duo gravou “Tatu Voltou”, um dos pontos altos do álbum, onde piano, flauta e violão se perseguem e se reencontram alternadamente num lindo efeito.

“Dolente” é outra bonita melodia de Canduta, onde os dois voltam a brincar com o cello de Pablo e o bandolim de Aleh. A seguinte é mais uma canção, desta vez com letra de Manoel Herzog, chamada “Valsa Noroeste”, típico evento do litoral que vira uma agridoce melodia de amor belamente interpretada por Mateus Sartori.

Veja também:  Globo faz coro com bolsonaristas e Lava Jato nas críticas à lei sobre abuso de autoridade

A alegre “Sortuda” conta com a participação do arranjador e compositor Lincoln Antônio e, em clima de festa chama o final, com a bela homenagem “Na Realejo”, conhecida livraria de rua de Santos, onde o duo se apresenta há muitos anos. A letra de Manoel Herzog chega vestida pelo choro de Canduta, que conta ainda com a participação do acordeon de Leandro Gomes e a voz e o pandeiro de Kleber Serrado.

No final das contas, o que dá mesmo vontade quando “Entidade” chega ao final é voltar ao começo e ouvir tudo de novo.

Foto: Capa/Reprodução


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum