Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
09 de março de 2019, 06h42

O sangue retinto pisado atrás do herói emoldurado

Ao contar a história que a história não conta, a Mangueira desfilou com um dos maiores sambas de todos os tempos

Foto: Reprodução

Estar no lugar certo na hora certa ajuda. Saber dizer o que todos precisam ouvir também. Mas, nada disso bastaria não fosse o talento. E isso a Estação Primeira de Mangueira tem de sobra. Seu enredo deste ano, com o significativo nome de “História pra ninar gente grande”, parte de um princípio simples, repetido e gasto, mas que, como diversas obviedades, esconde por trás uma enorme grandeza: a história que nos contam na escola não é a que viveram nas ruas nossos antepassados e, muito menos, a que nós vivemos e presenciamos.

A partir disso, o samba exige logo de saída: “Mangueira, tira a poeira dos porões, Ô abre alas pros teus heróis de barracões”. A referência à palavra “porões” evoca de maneira épica não só os dos navios negreiros, como também os da ditadura e os das delegacias espalhadas pelo país afora.

Com coragem pouco comum de dizer o que deve ser dito em espetáculo de tamanha grandeza, a Mangueira escancara e questiona os heróis e os vilões de sempre, vistos do “avesso do mesmo lugar”, em uma reviravolta genial. No seu lugar, os heróis dos barracões.

“Brasil, meu nego
Deixa eu te contar
A história que a história não conta
O avesso do mesmo lugar
Na luta é que a gente se encontra”

A troca de tratamento (meu nego, meu dengo) inverte interlocutores e os aproxima de maneira íntima, deixando claro que fala para os que estão ao lado, para os íntimos e muito próximos.

A letra, com isto, segue rasgando livros com versos secos e diretos: “Desde 1500 tem mais invasão do que descobrimento”, exalta.

O insulto à história oficial segue em crescendo vertiginoso até atingir o seu ápice e seu verso chave que expõe de modo fundamental a crueldade oficiosa:

“Tem sangue retinto pisado
Atrás do herói emoldurado”

Quem seria o tal herói emoldurado? Quantos retratos em salas de escola e repartições não passam pela cabeça do ouvinte espectador neste momento? Os heróis do samba, no entanto, são outros, a começar pelo Dragão do Mar de Aracati, o lendário Francisco José do Nascimento, o negro líder dos jangadeiros que disse: “neste porto não embarcam mais escravos”.

A partir daí, um desfiar de heróis que foram “aço nos anos de chumbo” são citados na canção, que partiu de jamelão e Leci Brandão para chegar nas “Marias, Mahins, Marielles, malês”.

O samba, composto por Danilo Firmino, Deivid Domênico, Mamá, Márcio Bola, Ronie Oliveira e Tomaz Miranda é daqueles que bate o seu carimbo na história não só pelo conteúdo, mas também pela forma. Repleto de breques elaborados, ao menos dois refrãos de grande força e melodia rica daquelas que chamam para os grandes sambas da história, “História pra ninar gente grande” é um daqueles capítulos escritos para ficar nas história do carnaval brasileiro.

A história, como diz o samba, do avesso do mesmo lugar. Aquela que a história não conta.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum