Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
20 de julho de 2019, 08h59

Os 50 anos da Apollo 11 e as duas luas de Gilberto Gil

Nada mudou com a conquista da lua. A não ser o reconhecimento de que a nossa tamanha capacidade e inteligência por um feito tão extraordinário não consegue se reproduzir com a mesma intensidade em disputas internas e tão comezinhas, aqui mesmo na terra.

Foto: Divulgação/Nasa

Faz 50 anos neste sábado (20) que o homem pisou a primeira vez na lua. É uma daquelas datas onde todo mundo que estava vivo na época lembra exatamente o que fazia no exato momento. O evento foi transmitido ao vivo, em cadeia mundial, para mais de 500 milhões de pessoas. Lembro bem que, apesar da guerra fria e do pai comunista, não se ouvia um zumbido na pequena sala da nossa pequena casa com quintal do bairro do José Menino, em Santos.

A emoção que tomou a todos foi muito poucas vezes revivida como catarse coletiva da mesma maneira, apesar de todos os reveses das últimas décadas, com seus atos institucionais, Copas do Mundo e 11 de setembro.

Lembro bem que, acima de diversas e tantas emoções, me marcou profundamente a premonitória canção “Lunik 9”, de 1967, do então novato cantor e compositor baiano Gilberto Gil. Ele pegava a coisa por um viés que perturbava a alma do menino: “Talvez não tenha mais luar pra clarear minha canção”.

A sugestão lírica de que o mistério do luar se acabaria no momento em que os astronautas, com seus pesados e invejáveis uniformes, pisariam no satélite, impressionava e causava pesadelos. Imaginava a lua escurecida, até mesmo sumida do espaço, ao bel prazer da tecnologia e das pesquisas interplanetárias.

A canção era profusa, trazia inúmeras alterações rítmicas e um grande poder discursivo. Talvez tenha sido um dos primeiros contatos que tive com a inteligência transbordante, cheia de sentidos, enfim, com a metáfora propriamente dita, que Gil nos oferecia com infinitas doses de ironia.

O mal-estar da chegada do homem à lua foi desfeito décadas depois também pelo próprio Gil, em outra canção primorosa. Em “A gente precisa ver o luar”, de 1981, o cantor, totalmente repaginado pelos anos de exílio e irreverência, chegava com a meia lua pintada de um lado dos cabelos e uma estrela do outro para cantar que a gente, simplesmente, precisava ver o luar.

Com o verbo um tanto mais contido, as cordas e ritmos brasileiros substituídos pela influência universal da canção pop e do r&b, Gil nos permitia desta vez muito mais hedonistas e alheios às grandes transformações, com uma lógica desconcertante: “Uma vez que existe só para ser visto, se a gente não vê, não há”.

Entre os dois Gilbertos, aquele um bocado preocupado da minha infância e o outro da juventude, um tanto mais atirado e contemplativo, fico com os dois e a mesma lua.

Ouço aqui e acolá as comemorações da chegada da Apolo 11, que tanto marcou meus primeiros anos, entre divertido e emocionado. Assim como Gil nos ensinou e insinuou, nada de fato mudou na nossa relação com o satélite e suas luzes.

Nada mudou mesmo a respeito de nada. A não ser o reconhecimento de que a nossa tamanha capacidade e inteligência por um feito tão extraordinário não consegue se reproduzir com a mesma intensidade em disputas internas e tão comezinhas, aqui mesmo na terra.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum