Fórumcast, o podcast da Fórum
04 de junho de 2019, 12h41

Passear em Santos nas “Canções de Amor Caiçara”, de Marcos Canduta e Manoel Herzog

A opereta escrita pelos autores santistas conta com a participação de Chico Buarque, Zeca Baleiro, Carlos Careqa, Alberto Salgado, Viviane Davoglio, João Maria e os Filhos da Tradição

Aquarela de Simone Schumacher usada na capa do álbum "Canções de Amor Caiçara"

Finalmente será lançado, no próximo sábado (8), o esperado “Canções de Amor Caiçara”, criação da dupla de santistas – o músico Marcos Canduta e o escritor Manoel Herzog. Os dois são artistas de grande talento, com seus trabalhos reconhecidos.

Canduta é autor de vários discos, compositor e exímio violonista. Forma, ao lado de Débora Gozzoli, o duo Choro de Bolso. Herzog é um grande escritor, poeta e romancista, com várias publicações, entre elas o recente romance, “Boa Noite, Amazona”, também lançado neste ano.

Os dois juntos se reinventaram para criar uma opereta, que tem como ponto de partida o encontro casual de um casal, que se conhece na ponte rodoviária em direção à Baixada Santista. Um local, como insiste o texto de apresentação, que tem vocação para a visita episódica.

A visita serve como pretexto para as canções, que seguem com o casal descrevendo locais da região como a Estação do Valongo, Engenho dos Erasmos, Morro do São Bento, Praia do Goes e, é claro, a Vila Belmiro, entre outros.

A viagem começa pela capa e encarte, todo composto por lindas aquarelas da multiartista Simone Schumacher. Cada canção tem a sua imagem respectiva, formando um todo delicado e requintado, de extremo bom gosto (veja a foto).

Para interpretar as canções, que trazem em si um leve sabor de nostalgia aliado à modernidade profusa de versos e harmonias inesperadas, aparecem algumas figuras ilustres da nossa música. Entre elas, nada menos do que o cantor, compositor e escritor Chico Buarque, o maranhense Zeca Baleiro, Carlos Careqa, o cantor e compositor Alberto Salgado além dos santistas Viviane Davoglio e João Maria.

O disco conta ainda com a participação do grupo Filhos da Tradição, na canção “Fado Bordado”, que fala da intensa influência portuguesa na cidade e, particularmente, das bordadeiras do morro do São Bento.

Zeca interpreta a linda canção que abre a opereta, “Descendo a Serra”. Nela, o casal se aconchega no ônibus enquanto a chuva fina e a neblina correm na janela. A promessa é que uma hora “a solidão termina, E a gente desce se você quiser, Até o mar a pé, Passear até…”.

Chico, por sua vez, ficou por conta de uma grande paixão sua e assumiu o papel, ele fluminense inconteste, de santista roxo. Fã incondicional de Pagão, lendário centroavante do alvinegro praiano, o cantor divide com Viviane Davoglio, que faz uma torcedora do Palmeiras, o divertido samba: “Time do interior quase ninguém repara”. O samba é uma discussão de torcedores onde um argumenta com Robinho, Pita, Mengálvio, Juari e “não vamo nem falar de Pelé”. E ela devolve com “Ademir da Guia? Rivelino, Serginho Chulapa, Zé Sérgio, Raí”.

Por razões óbvias e outras tantas afetivas e subjetivas, Carlos Careqa considero cantando “Valsa Noroeste” absoluto. Um ponto alto entre tantos outros deste belo disco.

Assim como a cidade de Santos, seus lugares, músicos e poetas, a opereta/disco “Canções de Amor Caiçara” traz inúmeras surpresas. Desde as vozes de santistas ilustres misturadas às de artistas reconhecidos da nossa canção, o álbum tem o mérito de quebrar com a obra ilhada, a cidade reclusa e guardada em si própria.

E, a partir disso, se lança ao mundo. Assim como os navios que não cansam de passar apitando na barra.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum