Fórumcast, o podcast da Fórum
05 de junho de 2019, 22h04

Paul McCartney se emociona com versão de Blackbird em idioma indígena canadense

Emma Stevens, uma jovem artista canadense com antepassados mi´kmaq (comunidade indígena do nordeste do Canadá), gravou a canção que, segundo ela, "tem muito sentido dentro dos princípios filosóficos defendidos pela tribo".

Emma Stevens interpretando Blackbird (Foto: reprodução YouTube)

Blackbird, uma das mais belas canções dos Beatles para violão e voz, ganhou nova vida recentemente, com uma versão gravada pela cantora Emma Stevens, a qual é interpretada em idioma mi´kmaq.

A tradução da letra não surgiu por acaso: a própria Stevens é uma jovem artista nascida no território do Canadá mas com antepassados mi´kmaq, uma comunidade indígena do nordeste do país da América do Norte, e se identifica mais com a cultura dos seus ancestrais. Segundo ela, a letra de Blackbird “tem muito sentido dentro dos princípios filosóficos defendidos pela tribo”.

O cover de Stevens, gravado em abril deste ano, girou o mundo graças a uma campanha da ONU Habitat (Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos), até chegar aos ouvidos de ninguém menos que o compositor de música. Em um concerto recente de sua atual turnê, Paul McCartney falou sobre Stevens, convidando o público a procurar seu vídeo na internet: “há uma versão incrível, cantada por uma garota canadense, está no YouTube, ela interpreta a canção em seu idioma nativo”.

McCartney também disse que Blackbird foi escrita como uma homenagem aos movimentos por direitos civis nos anos 60, e a duas mulheres que o ajudaram e inspiraram a letra. Em entrevista em 2016, recordada pelo National Post do Canadá, o ex-beatle contou: “Nós víamos o que estava acontecendo e simpatizamos com as pessoas passando por esses problemas, e isso me fez escrever uma música dedicada a essas pessoas, mesmo que fosse somente para ajudá-los um pouco”.

 

Em 27 de maio, Stevens esteve em Nairóbi, capital do Quênia, também para a campanha da ONU Habitat, cujo propósito também é defender os idiomas indígenas de todo o mundo da ameaça de extinção.  Atualmente, o idioma nativo do povo Mi´kmaq é falado por pouco mais de 10 mil pessoas.

Durante sua apresentação, a cantora mostrou sua versão de Blackbird e outras canções próprias, nas quais ressalta a música e a cultura do povo Mi´kmaq. Ela aproveitou a apresentação para fazer um apelo em prol da conscientização sobre uma das maiores questões do Canadá: as mulheres e meninas indígenas desaparecidas e assassinas.

“Me entristece dizer que quatro mil mulheres indígenas do meu país desapareceram ou foram assassinadas desde os Anos 1970, e a maioria dos crimes não foram resolvidos”, disse ela à plateia, usando um tradicional vestido vermelho das mulheres Mi’kmaq, com laços vermelhos que simbolizam, em sua cultura, o luto pelo genocídio indígena.

“Mesmo em um país democrático moderno como o Canadá, os povos indígenas ainda lutam por igualdade, justiça e reconciliação”, completou Stevens.

Com informações do National Post.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum