Rolling Stones deixam de tocar “Brown Sugar” por referências à exploração sexual de escravas

“Só Deus sabe do que estou falando nessa música! É uma confusão com todas as coisas desagradáveis ao mesmo tempo... Não pensei naquele momento. Nunca voltaria a escrevê-la”, disse Mick Jagger

Os Rolling Stones anunciaram em entrevista publicada no jornal Los Angeles Times que a canção “Brown Sugar”, uma das mais famosas da banda, foi retirada da turnê americana No Filter por fazer referência à escravidão, ao estupro, ao machismo, à violência e às drogas.

Descontente com o fato, o guitarrista Keith Richards respondeu. “Vocês não perceberam que essa música fala dos horrores da escravidão? Estão tentando enterrá-la. Por enquanto, não quero ter problemas com toda essa merda, mas espero que possamos ressuscitar essa beleza em toda a sua glória nesta turnê”, disse.

O cantor Mick Jagger, por sua vez, afirmou: “Tocamos ‘Brown Sugar’ em todos os nossos shows desde 1970, e às vezes dizemos: ‘Vamos retirar [essa canção] e ver que acontece’. A lista de músicas para uma turnê em estádios é complicada.’”

A turnê foi lançada nos EUA em 2017, mas precisou ser suspensa devido à pandemia. Foi retomado no mês passado para oferecer os últimos 13 shows.

A letra de “Brown Sugar” faz alusão à tortura e à exploração sexual à qual foram submetidas as mulheres afro-americanas nas plantações de algodão. “Barcos negreiros na costa de ouro com destino aos campos de algodão/Vendidos no mercado na cidade de Nova Orleans/Velhos traficantes de escravos com cicatrizes sabem que estão fazendo isso bem/Ouça-os açoitando as mulheres ao redor da meia-noite”.

O próprio Jagger, que em certas ocasiões mudou a letra nos shows, chegou a afirmar em entrevista, em dezembro de 1995, à revista Rolling Stone. “Só Deus sabe do que estou falando nessa música! É uma confusão com todas as coisas desagradáveis ao mesmo tempo… Não pensei naquele momento. Nunca voltaria a escrevê-la… Porque provavelmente eu mesmo me censuraria. Pensaria: Oh Deus, não posso. Tenho que parar. Não posso escrever coisas tão bisonhas como essa.” Jagger já censurou o título da composição, que faz referência a um cunnilingus e que inicialmente se chamava Black Pussy.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR