Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
28 de março de 2018, 13h34

Vaquinha virtual com mais 1.400 doadores garante a exposição Queermuseu no Rio

A mostra, cancelada pelo Santander e vetada pela prefeitura do Rio por ser considerada imoral por movimentos conservadores, começa em junho no Parque Lage

De acordo com informações do Estadão Conteúdo, a exposição Queermuseu: Cartografias da Diferença na Arte Brasileira foi confirmada nesta terça-feira, 27, para a segunda quinzena de junho, na Escola de Artes Visuais (EAV) do Parque Lage, no Rio de Janeiro.

No ano passado, a mostra, que tem obras de artistas brasileiros seminais, como Candido Portinari, Alberto Guignard, Lygia Clark e Adriana Varejão, foi cancelada pelo Santander Cultural, em Porto Alegre, e vetada pela prefeitura carioca no Museu de Arte do Rio (MAR), por ser considerada imoral por movimentos conservadores.

A EAV lançou uma vaquinha virtual no dia 31 de janeiro, para amealhar R$ 690 mil até o fim de março. Com mais de 1.400 doadores, o ‘crowdfunding’ alcançou R$ 802.941 nesses 58 dias.

Com o leilão de obras de arte realizado na escola no dia último dia 15, o montante chegou a R$ 900 mil, e a meta agora passou a ser R$ 1 milhão. O valor a mais será aplicado no ciclo paralelo de debates sobre temas ligados à diversidade sexual e no programa educativo da instituição.

“A campanha abrangeu um público muito variado: tivemos doações de R$ 20 a R$ 10 mil. A população se engajou porque a censura é contra todos”, celebrou o diretor da EAV, Fabio Szwarcwald. “A comunidade artística se sensibilizou muito com a causa. Para o leilão tivemos as obras de 83 artistas”. Foram vendidas 55 peças, de nomes como José Bechara, Raul Mourão e Neville d’Almeida, e Caetano Veloso fez um show.

Os recursos serão usados na reforma das Cavalariças, espaço do Parque Lage que servirá à mostra, de curadoria de Gaudêncio Fidelis, e na operação e montagem das 263 obras, de 85 artistas.

Não está descartada a possibilidade de a mostra ter classificação indicativa. No ano passado, à época do cancelamento pelo Santander e o veto unilateral do prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB) – bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus -, a mostra foi acusada de “promover a zoofilia e a pedofilia”, e tachada de imprópria para menores.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum