Verso de Belchior inaugura 2021 entre os assuntos mais comentados do Twitter

Palavras foram tiradas da canção “Sujeito de Sorte”, de 1976, e caíram como uma luva para os dias de hoje

O cantor e compositor cearense, Antônio Carlos Gomes Moreira Belchior Fontenelle Fernandes, mais conhecido por todos como Belchior, nos deixou em abril de 2017, mas nunca foi esquecido. Curiosamente, na virada deste fatídico ano de 2020 para 2021, um verso seu foi parar entre os assuntos mais comentados do Twitter:

“Ano passado eu morri, mas este ano eu não morro”, da canção “Sujeito de Sorte”.

A música faz parte de um de seus álbuns mais conhecidos, o lendário “Alucinação”, que traz alguns de seus maiores sucessos, entre eles a faixa título “Alucinação”, “A Palo Seco”, “Apenas um Rapaz Latino Americano” e as duas que, na voz de Elis Regina, se transformaram em ícones da nossa canção: “Velha Roupa Colorida” e, sobretudo, “Como Nossos Pais”.

“Sujeito de Sorte” nunca foi um grande destaque do seu repertório.

A canção ressurge em meio à pandemia do Coronavírus que devastou o planeta e matou milhões de pessoas.

Seus versos, que passaram quase despercebidos na época de seu lançamento, parecem feito sob encomenda para os dias de hoje:

Presentemente eu posso me considerar um sujeito de sorte
Porque apesar de muito moço me sinto são e salvo e forte
E tenho comigo pensado Deus é brasileiro e anda do meu lado
E assim já não posso sofrer no ano passado
Tenho sangrado demais, tenho chorado pra cachorro
Ano passado eu morri, mas esse ano eu não morro

Como todo grande artista, um tanto profeta do seu tempo, Belchior continua, 50 anos depois do seu surgimento em nossa música e quase quatro após nos deixar, a nos traduzir com a sua poesia e sua canção inconfundível e direta.

O verso irônico de “Sujeito de Sorte” – “Ano passado eu morri, mas este ano eu não morro” – nos devolve a dimensão da resistência e do novo tempo que ressurge neste primeiro dia de um ano, no mínimo, duvidoso.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Em 2021, escolha a Fórum.

Todos os dias Fórum publica de 80 a 100 matérias desde às 6h da manhã até à meia-noite. São 18h de textos inéditos feitos pela equipe de 10 jornalistas da redação e também por mais de três dezenas de colaboradores eventuais.

E ainda temos 3 programas diários no YouTube. O Fórum Café, com Cris Coghi e Plínio Teodoro, o Fórum Onze e Meia, com Dri Delorenzo e este editor, e o Jornal da Fórum, com Cynara Menezes. Além de vários outros programas semanais, como o Fórum Sindical, apresentado pela Maria Frô.

Tudo envolve custos. E é uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar neste ano, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

É fácil. Clique em apoiar e escolha a melhor forma de escolher a Fórum em 2021.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR